Deflação: inflação oficial de novembro dá para trás no Pará

Segundo o IBGE, estado tem a menor inflação de 2021 entre as regiões pesquisadas. Mesmo assim, preços médios praticados no país estão mais de 10% acima do que se viu ano passado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Você acreditaria se alguém lhe dissesse que os produtos e serviços que você consome no Pará ficaram mais baratos no mês passado? Certamente não, e você ainda riria da situação, que mais parece piada. Mas o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) acaba de revelar nesta sexta-feira (10) que a inflação oficial do Pará para novembro caiu, ou melhor, simplesmente não existiu. Aliás, houve deflação nos preços medidos a partir da Grande Belém.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu, que analisou os indicadores do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) divulgados hoje e que servem de base para o cálculo anual da inflação oficial do país. Enquanto no Brasil o preço médio das coisas encareceu 0,95% em novembro, no Pará houve — pasme! — recuo de 0,03%.

Na prática, é um valor tão irrisório que ninguém vai admitir que sentiu seus efeitos na carteira, com algumas moedinhas sobrando. Para além disso, o peso da inflação é sentido de forma diferente entre as famílias. As de menor poder aquisitivo são as que mais percebem a alta dos preços enquanto, para as mais abastadas, o índice pode ser imperceptível.

De acordo com o IBGE, o Pará acumula este ano inflação da ordem de 7,08%, a menor entre as 16 regiões pesquisadas. No Paraná, o IPCA medido a partir de Curitiba acumula este ano 12,16%. Já passa de 10% no Espírito Santo (10,69%), Mato Grosso do Sul (10,4%), Acre (10,13%), Rio Grande do Sul (10,07%) e Ceará (10,03%).

No acumulado de 12 meses, o Pará registra 8,7% de inflação e, também, é a mais baixa do Brasil. No extremo oposto, a inflação acumulada chega a 13,71% no Paraná e 12,26% no Espírito Santo. Passa de 10% em outras 12 Unidades da Federação. A média nacional, de janeiro a novembro, é de 10,74%. O IPCA, vale lembrar, é utilizado como parâmetro para correção de preços de diversos produtos e serviços, e também do salário mínimo.

Por que a inflação caiu no Pará?

Segundo o IBGE, a variação negativa registrada no estado decorre principalmente dos itens de higiene pessoal (-6,51%) e energia elétrica (-1,92%). Apesar disso, o peso da inflação no bolso dos paraenses é avassalador este no, de maneira que serviços como alimentação (26,87%), transportes (18,84%), habitação (16,66%) e saúde (12,23%) levam embora praticamente 75% do salário da população do estado.

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) calcula que, em novembro, o salário mínimo necessário para uma família brasileira viver com dignidade deveria ter sido de R$ 5.969,17, uma realidade distante da esmagadora maioria dos trabalhadores do país e, principalmente, do trabalhador paraense, cujo rendimento mensal médio não toca R$ 1.600.