Curió avaliado em R$ 2.000,00 é apreendido em Marabá pela PRF

Agentes realizaram, ainda, dois flagrantes de transporte de madeira ilegal, totalizando mais de 38 metros cúbicos
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

A ação ocorreu na manhã do último domingo (18), quando a equipe da PRF que fiscalizava no KM 323 da BR 155 em Marabá abordou veículo Gm/ Prisma Maxx de cor prata. Durante a fiscalização, a equipe verificou a existência de uma ave silvestre do tipo Curió sendo transportada sem a anilha, que é um anel de identificação fornecido pelo IBAMA, que atesta nascimento da ave em cativeiro com o objetivo de combater o seu tráfico interestadual.

O condutor do veículo foi enquadrado no crime previsto no artigo 29 da lei de crimes ambientais (lei 9.605/98) por transportar espécime da fauna silvestre sem autorização/licença do órgão ambiental competente e foi liberado após assinatura de termo circunstanciado de ocorrência.

A obtenção ou transporte de qualquer espécime silvestre está sujeita a autorização prévia do IBAMA e quem desobedecer este preceito estará sujeito às penas previstas em lei, que vão desde prestação de serviços à comunidade até recolhimento domiciliar, conforme a gravidade de cada caso. O curió em questão, sendo bastante cantador, é avaliado no mercado negro entre R$ 2.000 a R$ 3.000,00. Alguns chegam a R$ 15.000,00.

MADEIRA ILEGAL

As apreensões de madeira ilegal pela Polícia Rodoviária Federal continuam crescendo. No último final de semana dois flagrantes foram registrados, totalizando mais de 38 m³ de madeira ilegal apreendida.  As ocorrências aconteceram na BR-230 em Altamira/PA e na BR-155 em Marabá.

O primeiro flagrante ocorreu no último sábado (16) , por volta das 23h, no km 630 da BR 230 em Altamira, quando policiais abordaram o veículo Volvo/Vm 260, cor branca. Ao ser solicitado, o condutor não apresentou os documentos de porte obrigatório para os 17,37 m³ da espécie Maraçanduba, inclusive o Documento de Origem Florestal (DOF), que é o documento exigido para o transporte de madeira.

O segundo flagrante ocorreu no domingo (17), por volta das 13h, no km 323 da BR 155, em Marabá, quando os agentes abordaram o veículo M.BENZ 1518, cor azul. Durante a fiscalização constatou-se o transporte madeira de Acapu em Lascas, sem nota fiscal e sem documento de origem florestal. Em consulta aos sistemas não foi encontrado nenhuma Guia Florestal correspondente. Através da cubagem realizada pelos policiais foi verificado que o condutor estava transportando, aproximadamente, 21 metros cúbicos de madeira. Vale ressaltar que a carga era oriunda da cidade de Tailândia com destino a Eldorado dos Carajás.

Diante dos flagrantes de crime ambiental evidenciados acima, os condutores dos caminhões foram detidos e liberados após a assinatura de Termo Circunstanciado de Ocorrência. Os caminhões com as respectivas cargas de madeira foram apreendidos e disponibilizados ao órgão ambiental competente.

A PRF tem combatido com bastante rigidez o crime ambiental no Pará. Só em 2019 já foram apreendidos mais de 302 m³ de madeira ilegal em todo o estado. A ação repressiva visa reprimir a extração de madeira de forma ilícita e, assim, contribuir com a preservação da biodiversidade da floresta amazônica.

Publicidade

Relacionados