Criminosos presos no Ceará por criar lotéricas falsas são transferidos para o Pará

Quatro homens e uma mulher responderão pelos crimes de dano qualificado, apropriação indébita, estelionato, fraude no comércio, entre outros crimes.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Chegaram a Belém, por volta de 16h desta sexta-feira (3), os cinco criminosos que montaram falsas casas lotericas na Região Metropolitana de Belém. Eles integram uma associação criminosa e foram presos ontem, pela Polícia Civil do Pará, na cidade de Beberibe, no Estado do Ceará. A transferência dos investigados contou com a ajuda do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Pará (Graesp), que enviou uma aeronave até Fortaleza para o procedimento denominado “Recambiamento”.

“É mais uma etapa importante da Operação Foco, que foi deflagrada com êxito pelos nossos agentes da PC-PA. Desta forma, nós demonstramos que a criminalidade não vai imperar no nosso Estado. Com a união das forças de segurança pública, conforme determinado pelo Governador Helder Barbalho, estamos defendendo o nosso povo, dentro e fora das nossas divisas. Apesar desta etapa estar concluída, as investigações continuam para levantar o destinatário dos valores furtados por esses criminais”, destacou o delegado-geral da Polícia Civil, delegado Walter Resende.

O delegado-Geral recepcionou a chegada da equipe do Pará, coordenada pelo delegado, Fernando Marcolino, titular da Delegacia de Estelionato e Outras Fraudes (DEOF), vinculada à Divisão de Investigações e Operações Especiais (DIOE). A operação o apoio da Polícia Civil do Estado do Ceará.

Os quatro homens e uma mulher, presos, responderão pelos crimes de dano qualificado, apropriação indébita, estelionato, fraude no comércio, associação criminosa, falsidade ideológica e uso de documento falso.

As investigações sobre o caso começaram há cerca de 30 dias, após a Polícia Civil identificar que dois espaços comerciais foram abertos de forma irregular, nos municípios de Belém e Ananindeua. Os locais, que se assemelhavam a casas lotéricas, recebiam pagamento de boletos, mas os valores não eram compensados nos destinatários. Os espaços onde os golpes eram aplicados fecharam poucos dias após o início do funcionamento. Cerca de 50 pessoas foram vítimas da associação criminosa.

Com a identificação da localização de parte dos criminosos que compõem a associação criminosa, bem como a participação e conduta de cada um deles, os agentes da Polícia do Pará percorreram cerca de 1.000 km até a cidade de Fortaleza (CE), onde montaram uma base com suporte para as diligências.

Um total de 40 policiais civis participaram do cumprimento dos mandados de prisão, busca e apreensão. Os cinco criminosos foram presos em Beberibe, a 80 Km da capital cearense. Houve busca e apreensão em dois locais ligados aos envolvidos nos municípios cearenses de Fortaleza e Horizonte.

Com informações da SSPPA