Conselho de Ética volta a analisar casos de Daniel Silveira e Eduardo Bolsonaro

Parlamentares do PSL são acusados de fazer apologia ao AI-5
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Brasília – O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados (COETICA) retoma nesta segunda-feira (5), a análise de pareceres preliminares contra os deputados Eduardo Bolsonaro e Daniel Silveira, ambos do PSL, de São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente.

Os partidos de oposição ao governo, como Rede, Psol, PT e PC do B, acusam o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de quebra de decoro parlamentar e de atentado contra a democracia por sugerir em uma entrevista, em 2019, a adoção de um novo AI-5, instrumento que, em 1968, endureceu a ditadura militar. Na ocasião, ele ainda afirmou que era “preciso dar uma resposta caso a esquerda se radicalize”. Após a repercussão negativa das declarações, o deputado se desculpou e disse que foi mal interpretado.

Na mesma sessão do colegiado, os deputados Alexandre Leite (DEM-SP) e Fernando Rodolfo (PL-PE) apresentam os planos de trabalho de duas representações contra o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), mantido atualmente em prisão domiciliar e usando tornozeleira eletrônica. Silveira foi preso por ordem do Supremo Tribunal Federal acusado de ofender e ameaçar integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF), além de fazer apologia ao AI-5.

O parlamentar também foi denunciado no COETICA por gravar ilegalmente uma reunião de seu partido ocorrida em outubro de 2019.

Saiu da pauta a análise do parecer do deputado João Marcelo Souza (MDB-MA) sobre a representação contra o deputado Coronel Tadeu (PSL-SP), acusado pelo PT de quebra de decoro em “manifestação racista de ódio”.

Outro processo que se arrasta na comissão é o da deputada fluminense Flordelis (sem-partido), acusada de ser a mandante do assassinato do marido dela, pastor Anderson do Carmo.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.

Publicidade