Conselheiro do Volta Redonda, que mora em Parauapebas, acompanhou a classificação na Copa do Brasil

Gelver Gilliard é natural do Rio de Janeiro e pediu liberação do trabalho para acompanhar o Voltaço
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Gelver Gilliard com a bandeira do Volta Redonda (Foto: André Moreira)

Continua depois da publicidade

Quem é torcedor de verdade de algum clube, não mede esforços para acompanhar seu time de coração onde quer que ele jogue. Gelver Gilliard, de 41 anos, torcedor fanático do Volta Redonda do Rio de Janeiro, que mora há dois anos na cidade de Parauapebas, sudeste do Pará, pediu liberação do trabalho, uma empresa de alojamento, para viajar até Castanhal e acompanhar o Voltaço na cidade Modelo, na última quarta-feira (17), em confronto válido pela Copa do Brasil. Gelver, que também é conselheiro do clube carioca, estava prevendo que isso iria acontecer no dia do sorteio.

“Quando saiu os potes da Copa do Brasil, que ali mostra as chaves que os adversários vão ser sorteados e vão se encontrar, eu vi que o pote do Volta Redonda poderia enfrentar o Castanhal e eu torci muito. Quando chegou o sorteio da Copa do Brasil, eu fiquei ao vivo assistindo e vi que saiu o Castanhal. Vibrei muito e até os amigos do conselho brincaram comigo –  ‘passa os números da Mega Sena que você acertou o adversário do Volta Redonda no meio de vários adversários e deu logo Castanhal, que você queria, e agora você vai ter que ir no jogo’,” lembrou o torcedor e conselheiro do Volta Redonda. 

Homem de palavra, Gelver se programou para cumprir sua promessa de assistir o time de coração no estado em que reside atualmente. O conselheiro não pensou duas vezes e comprou as passagens de ida e volta, percorrendo aproximadamente 1.500 km, tudo pelo amor ao clube. Assim que saiu a confirmação do adversário, Gelver entrou em contato com a diretoria do Volta Redonda para fazer todo o protocolo exigido pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para poder adentrar ao estádio. 

“Fiz os exames e deu negativo para a covid-19, repassei isso para a gerência de futebol e diretoria, e consegui a credencial para poder entrar e colocar estampada a bandeira oficial do clube lá no Estádio Modelão, que é a casa do Japiim. Todo aquele objetivo que queria, eu consegui. Cheguei lá, bati um papo com os atletas, com o técnico e com o presidente e ajudei a motivar para o jogo. Sabíamos que o Japiim é um time muito forte e que a gente poderia ser surpreendido por eles, mas graças a Deus deu tudo certo e conseguimos vencer. Fiquei feliz da vida por ter viajado 750 km para ir e 750 km para voltar, mas voltei feliz,” finalizou Gelver.

A partida entre Castanhal e Volta Redonda, válida pela primeira fase da Copa do Brasil, terminou com o placar de 3 a 0 para o Voltaço, em pleno Estádio Maximimo Porpino, o Modelão, em Castanhal. Com a classificação, o time carioca vai enfrentar a Juazeirense (BA) pela segunda fase da competição nacional. O Volta Redonda vem liderando o Campeonato Carioca, na disputa da Taça Guanabara, com dez pontos conquistados. 

Por Fábio Relvas