Conab lança boletim com informações sobre a agricultura familiar

A cada dois meses um novo boletim será publicado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
O boletim da agricultura familiar ganhará nova edição a cada dois meses

Continua depois da publicidade

Brasília – Uma antiga reivindicação dos pequenos produtores rurais do país foi atendida na segunda-feira (20), com o lançamento do primeiro Boletim da Agricultura Familiar, material que trará uma análise sobre os principais macrotemas do setor, abordando também as perspectivas, cenários, desafios e oportunidades. O trabalho é fruto de um projeto da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que passa a fornecer para o mercado uma nova opção para se buscar informações atualizadas sobre o setor. 

Na cerimônia de lançamento, o presidente da Conab, Guilherme Augusto Sanches Ribeiro, enfatizou: “Desta forma, a Companhia intensifica suas ações na promoção da inteligência agropecuária. As informações consolidadas podem ser utilizadas de forma a auxiliar a formulação e execução de políticas públicas, contribuindo para a regularidade do abastecimento e formação de renda do produtor rural”.

A publicação tem como fio condutor a avaliação da conjuntura encontrada pelos agricultores familiares. Para isso, o documento será dividido em macrotemas, com espaços destinados às questões de crédito, análise de mercado dos principais produtos, além de entrevistas com os próprios produtores a fim de trazer uma visão de quem vivencia os desafios e as oportunidades existentes.

Para o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Cesar Halum, “a assinatura da Conab traz credibilidade ao Boletim que vai nos ajudar muito no nosso trabalho em função de que a Conab opera o PAA, que é o Programa de Aquisição de Alimentos, importante programa para a agricultura familiar, bem como a [Política de Garantia de Preços Mínimos para os Produtos da Sociobiodiversidade, PGPM-Bio], que cuida da nossa biodiversidade, e o [Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar, PGPAF], que também é um programa de garantia de preços mínimos da agricultura familiar. Então isso são coisas importantes e que vão ser utilizadas e que vai nortear as nossas ações daqui pra frente”.

Em uma linguagem acessível, o Boletim ainda trará um artigo com informações sobre temas diversos afetos à agricultura familiar. “Temos a missão de prover inteligência agropecuária e participar da formulação e execução de políticas públicas, contribuindo para a regularidade do abastecimento e formação de renda do produtor rural, e com essa publicação, damos mais um passo nesse pilar importante de promoção da inteligência agropecuária,” ressalta o diretor de Política Agrícola e Informações da Companhia, Sergio de Zen.

Nesta primeira edição, o artigo em destaque abordará a importância das políticas públicas executadas pela Conab para a agricultura familiar e para a sociedade como um todo, com destaque para os indicadores de execução dos últimos anos do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e da Política de Garantia de Preços Mínimos para os Produtos da Sociobiodiversidade (PGPM-Bio).

“O desafio de se apresentar para a sociedade brasileira um Boletim da Agricultura Familiar não é pequeno. Além da importância, a abrangência do tema torna necessária uma grande capacidade de síntese e objetividade,” reforça o superintendente de Estudos Agroalimentares e da Sociobiodiversidade da estatal, Marisson Marinho. Ele ainda ressalta que a atuação da Conab junto aos agricultores e agricultoras familiares ocorre desde muito tempo, tendo sido intensificada a partir do início dos anos 2000. “Tal situação fez com que a Companhia se apropriasse de um grande número de informações e passasse a ser uma instituição de referência sobre o setor”.

A reportagem leu a íntegra do boletim e recomenda fortemente que os agricultores familiares façam o mesmo. A Conab garantiu que o Boletim da Agricultura Familiar será publicado a cada dois meses. Clique aqui para ter acesso à primeira edição da publicação.

Por Val-André Mutran – de Brasília