CNE autoriza cursos de Nutrição e Psicologia em Parauapebas

Medida abre caminho para que capital do minério amplie seus horizontes de ensino superior ainda tacanhos. Entre ricos, Parauapebas tem mais baixa população de universitários do país.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

O Ministério da Educação (MEC) está acelerando para valer a abertura de novas faculdades pelo país. Ontem, quinta-feira (10), foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) um parecer (veja aqui) do Conselho Nacional de Educação (CNE), que garante novidade para o município de Parauapebas: vai ganhar cursos de Nutrição e Psicologia por meio de uma instituição privada.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que esmiuçou a edição do DOU atrás de boas-novas para a capital do minério. O MEC autorizou a Faculdade Vale dos Carajás (FVC), mantida pelo Centro de Ensino Superior Vale dos Carajás, a se instalar na Rua Olga Prestes, no Bairro da Paz. O parecer de credenciamento é válido por três anos.

A FVC poderá, neste primeiro momento, ofertar cursos de graduação em Nutrição e Psicologia, com número de vagas anuais a ser fixado pela Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior (Seres). O Blog do Zé Dudu visitou o site da instituição, disponível no endereço <https://fvcedu.com.br/a-fvc/>, e constatou que o portfólio de cursos conta ainda com Fisioterapia e Estética. No entanto, o Blog não encontrou o parecer de credenciamento no DOU nem no portal de processos do MEC para eles.

Vale lembrar que, desde janeiro, o MEC tem acelerado a abertura de novas universidades particulares no país. Pedidos de credenciamento que estavam parados havia anos na pasta foram liberados para análise do CNE. Ao todo, o MEC despachou 120 processos de credenciamento, quase o dobro de anos anteriores. A maior parte dos procedimentos recebe parecer favorável no CNE e, pouco depois, é homologada pelo ministério. Esse é o primeiro passo para que uma nova universidade ofereça cursos. Dos 120 processos encaminhados neste ano, apenas dez tiveram avaliações desfavoráveis no conselho.

A medida publicada ontem abre caminho para que Parauapebas amplie seu capital de ensino superior. Atualmente, entre os municípios brasileiros com mais de 150 mil habitantes, Parauapebas tem a pior situação na relação entre o total de universitários (5.700) e o tamanho populacional (208 mil moradores). Hoje, a capital do minério movimenta míseros R$ 2,7 milhões com seus cursos de graduação, a esmagadora maioria em faculdades privadas e na modalidade a distância. Marabá, a 170 quilômetros, movimenta a impressionante fortuna de R$ 130 milhões apenas com salários de pessoal envolvido diretamente no ensino superior.

Relacionados