Canaã volta a registrar mortes por Covid-19 depois de quase três meses

Em menos de duas semanas, três pessoas perderam a vida para o vírus, e o município agora soma 128 óbitos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

As mortes de Amom Andrade, de 61 anos, e do empresário José Maria Primo deixaram entristecidos muitos moradores de Canaã dos Carajás. Os dois perderam a vida para a Covid-19. Uma terceira pessoa também faleceu por complicações do vírus neste mês de dezembro.

O Boletim Epidemiológico de Canaã ficou sem registrar mortes por quase três meses. Agora, o município soma 128 óbitos. Cinco pessoas seguem internadas em unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). As novas mortes lembram que a pandemia não acabou, embora muitos moradores sigam sem respeitar as medidas sanitárias. Os shows liberados pelo município aglomeraram multidões, que estavam sem máscara.

Vacinação lenta

Canaã não é um bom exemplo quando se trata de vacinação contra a Covid-19.  De acordo com os dados da Secretaria Municipal de Saúde relativos ao dia 9 de dezembro, já foram aplicadas 78.084 doses dos imunizantes na população. O município registrou 48.722 pessoas vacinadas com a primeira dose, mas a preocupação é com a baixa adesão na segunda aplicação. Apenas 28.760 pessoas buscaram completar o esquema vacinal. As doses de reforço foram aplicadas em 602 pessoas.

Vítimas

Amon Andrade era irmão do ex-prefeito de Canaã dos Carajás, Jeová Andrade e faleceu nesta segunda-feira (13). “Guerreiro que começou trabalhar no pesado aos oito anos, para ajudar meus pais a cuidar da família,” lamentou Jeová.

O empresário José Maria Primo, um dos pioneiros de Canaã dos Carajás, faleceu na semana passada, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital em Goiânia, onde estava internado em estado grave.

Por Dayse Gomes