Câmara vota 2º turno da Previdência.

Partidos de oposição prometem endurecer após recesso parlamentar
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Brasília – A semana começa com a pauta cheia após o recesso de 20 dias do Congresso Nacional. A Câmara dos Deputados retoma a votação a partir de terça-feira (6), em segundo turno, da proposta de reforma da Previdência (PEC 6/19). No Senado, será discutida a aprovação da indicação pelo presidente Jair Bolsonaro, do nome de seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para ocupar a mais importante representação diplomática do país no exterior: a embaixada em Washington, nos Estados Unidos.

Na terça, os partidos de oposição discutem a possibilidade de protocolar um pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. Após a reunião, os partidos devem divulgar uma nota sobre a decisão do encontro.

Outras propostas que devem ser apreciadas no Congresso é a reforma tributária – por enquanto, há dois grandes projetos em debate, um capitaneado pelo presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) e outro pelo ministro da Economia, Paulo Guedes – e o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro.

Nova Lei de Licitações

A Câmara vota, a partir das 9 horas de terça-feira (6), a nova Lei de Licitações (PL 1292/95), que cria modalidades de contratação, exige seguro-garantia para grandes obras, tipifica crimes relacionados ao assunto e disciplina vários aspectos do tema para as três esferas de governo (União, estados e municípios).

O Plenário precisa votar os destaques apresentados ao texto do deputado Augusto Coutinho (Solidariedade-PE), cujo texto-base foi aprovado no fim de junho.

De acordo com o texto, a inversão de fases passa a ser a regra: primeiro se julga a proposta e depois são cobrados os documentos de habilitação do vencedor.

Outra novidade no relatório é a possibilidade de o poder público optar pela continuidade de um contrato mesmo após constatada irregularidade na licitação ou na execução contratual.

A ideia é não prejudicar o atendimento à população pela ausência de um serviço, obra ou material. Nesse caso, será obrigatória a cobrança de indenização por perdas e danos, sem prejuízo da aplicação de penalidades e da apuração de responsabilidades.

O projeto também cria o diálogo competitivo, modalidade de licitação para obras, serviços e compras de grande vulto, caracterizando-se por conversas com licitantes previamente selecionados por meio de critérios objetivos. Após essa fase, eles devem apresentar sua proposta final.

O diálogo competitivo poderá ser aplicado a objetos que envolvam inovação tecnológica ou técnica; ou em contratação de parceria público-privada (PPP), em concessão de serviço público e em concessão de serviço público precedida de execução de obra pública (usinas hidrelétricas, por exemplo).

Um dos 23 destaques apresentados prevê a extinção da modalidade de contratação integrada, criada pela lei do Regime Diferenciado de Licitações (Lei 12.462/11). Nesse tipo, o contratado faz tudo relacionado ao objeto. Em uma obra, por exemplo, isso inclui desde o projeto básico até a entrega das chaves.

Outro destaque prevê inexigibilidade de licitação na compra de medicamentos para doenças raras pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Na quinta-feira (8), às 09h05, acontece no Plenário da Câmara, Sessão Solene em Homenagem aos 98 Anos de Fundação da Convenção Interestadual de Ministros e Igrejas Evangélicas da Assembleia de Deus Fundada no Brasil – COMIEADEPA – Belém/PA. O requerimento (REQ. 988/2019), é de autoria do deputado federal Olival Marques (DEM-PA).

Confira a pauta completa do Plenário

Val-André Mutran – É correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.

Publicidade

Relacionados