Câmara Municipal de Marabá tem primeira sessão remota

Em razão da pandemia, as sessões presenciais estão suspensas desde 17 de março passado. Os trabalhos foram retomados nesta terça-feira (28) e o assunto predominante foi o combate à covid-19
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Câmara Municipal de Marabá, cujas sessões ordinárias estavam suspensas desde 17 de março passado, devido à pandemia de coronavírus (covid-19), retomou os trabalhos nesta terça-feira (28), com sessão remota transmitida ao vivo pela rede social Facebook. Todos os vereadores lamentaram a morte do ex-prefeito e ex-vereador Nagib Mutran Neto e do ex-deputado federal Asdrúbal Bentes, ambos do MDB. Nagib era marido na vereadora Cristina Mutran (MDB), que não participou da sessão.

Na oportunidade foram aprovadas Moções de Pesar pelo falecimento dos dois eminentes políticos, ambas propostas por todos os vereadores da Casa; e Moção de Aplauso à Guarda Municipal de Marabá, pela atuação nas ações de combate ao coronavírus, esta proposta pelo vereador Cabo Rodrigo (Republicanos).       

Em homenagem aos dois políticos, o vereador Miguel Gomes Filho (PDT_ – Miguelito –, em fala muito emocionada e com a voz embargada, propôs que o Hospital Materno Infantil de Marabá seja denominado de “Hospital Nagib Mutran Neto” e que o estádio municipal, cuja construção está em fase de conclusão, se chame “Estádio Asdrúbal Mendes Bentes”.

Todas as falas fizeram referência, com muita preocupação, ao crescimento dos casos de covid-19 em Marabá, reivindicando da Prefeitura Municipal a aquisição urgente de kits de testagem rápida para coronavírus, a fim de que seja estabelecida a taxa de pessoas contaminadas na cidade e, a partir daí, se possam reforçar as medidas de combate à covid-19.

O vereador Ilker Morais Ferreira (MDB) cobrou da administração municipal detalhes sobre a aplicação de R$ 2 milhões repassados pelo governo federal para o combate ao coronavírus, uma vez que, segundo ele, no Portal da Transparência da prefeitura só aparece a prestação de contas de aproximadamente R$ 900 mil.

Disse que várias entidades na cidade estão fabricando máscaras de tecido, voluntariamente e sugeriu que a prefeitura poderia incentivar essa produção para atendimento à população no uso desse equipamento de proteção.

Morais também sugeriu que a prefeitura, neste momento de crise, entre em acordo com os bancos conveniados para que sejam suspensos temporariamente os descontos das parcelas de empréstimos consignados.

Ilker também questionou o fechamento parcial do comércio, com a abertura somente das atividades consideradas essenciais, e recomendou que o decreto estabelecendo essa limitação seja revisto.

Vale ressaltar que, pelos Decretos Municipais 32/2020 e 33/2020, o comércio de Marabá estava funcionando plenamente, obedecendo aos protocolos de higiene e sanidade da Organização Mundial da Saúde (OMS). Porém, no final de semana passado, decisão da Justiça do Trabalho local obrigou a prefeitura a revogar os dois decretos e voltar a fechar boa parte dos estabelecimentos.                         

Gilson Dias (PT) advertiu quanto à aglomeração de pessoas na entrada das agências da Caixa Econômica Federal e pediu à presidência da Casa que encaminhe oficio à superintendência da instituição financeira, para que o banco coloque em prática imediatamente os protocolos de segurança da OMS nesses estabelecimentos. A advertência se estendeu às casas lotéricas.

Irismar Meto (PL) também pediu a prestação de contas dos recursos repassados à Prefeitura de Marabá e se referiu à situação de apreensão entre os servidores da Secretaria Municipal de Assistência Social, Proteção e Assuntos Comunitários (Seaspac), cuja titular, Nadja Lúcia Oliveira Lima, foi diagnosticada com covid-19. A vereadora apela para que todos os funcionários que tiveram contato com ela sejam submetidos ao teste rápido. Ela também dirigiu críticas à administração municipal em relação a possíveis falhas no combate ao coronavírus no município. 

Priscila Veloso (PSD) também mostrou preocupação com os servidores da Seaspac que tiveram contato com a secretária e, assim como Gilson Dias, também cobrou providências urgentes da Caixa a fim de organizar o acesso pessoas às agências, evitando as aglomerações, assim como nas lotéricas.

O vereador Edinaldo Machado (PSC) também solicitou providências urgentes da Caixa para que coloque ordem nas filas e disponibilize álcool em gel e máscaras a todos aqueles que se dirigirem ao estabelecimento. Ele disse, ainda, que a mineradora Vale deve colaborar bem mais com o município doando equipamentos de proteção individual aos profissionais de saúde e equipamentos que possam ajudar a combater a covid-19, sem que isso representasse o mínimo abalo nas finanças da multinacional.          

O vereador Pedro Corrêa Lima (DEM), presidente do Legislativo, lembrou que a Câmara, representada por ele, participa ativamente do Comitê de Gestão de Crise para o Combate ao Coronavírus, criado pelo prefeito Tião Miranda para tratar do assunto e montar estratégias de prevenção. Ele salientou que todas as decisões emanadas pelo organismo são baseadas em dados científicos e estatísticos. E lembrou também a CMM cedeu quatro veículos com motorista para dar suporte ao trabalho de fiscalização da Divisa (Divisão de Vigilância Sanitária).

“Se Marabá não tivesse tomado as medidas protetivas que tomou logo no início da disseminação do vírus, certamente estaríamos em situação bem mais grave”, salientou Pedrinho, como também é conhecido, informando que todas as observações assim como as indagações feitas em relação à atuação da Secretaria Municipal de Saúde no combate ao coronavírus serão relatadas em ofício dirigido ao secretário Luciano Lopes Dias e ao prefeito Tião  Miranda, para que sejam respondidas, por ambos, em reunião remota, com os vereadores.

Eleuterio Gomes – De Marabá