Câmara de Parauapebas vai dar tapa no visual de acervo da biblioteca legislativa

Tentativa de atualização do acervo não é nova, embora desde que biblioteca fora criada, em 2009, só tenha sido feito em 2011. Em 2020, duas tentativas de pregão presencial pereceram.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Está marcada para sexta-feira (13) da semana que vem a conferência de propostas de interessados em fornecer livros para atualização e ampliação do acervo da Biblioteca Legislativa Sônia Cortez, de Parauapebas. A Câmara de Vereadores, presidida por Ivanaldo Braz, publicou pregão eletrônico para comprar três exemplares de até 286 títulos. O custo estimado gira em torno de R$ 76 mil.

As informações foram levantadas com exclusividade o Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas aqui. No ano passado, sob a presidência de Luiz Castilho, a Câmara tentou por duas vezes, via pregão presencial, comprar livros para a biblioteca legislativa. O primeiro pregão, aberto em março no valor de aproximadamente R$ 147 mil, pretendia adquirir três exemplares de 358 títulos. Não foi adiante e acabou revogado em 13 de maio.

Entre pandemia e tantos outros fatores, o que pesou mesmo, segundo documento da própria Câmara, foi uma recomendação expedida em abril da 4ª Promotoria de Justiça da Comarca de Parauapebas para adoção, pelo Legislativo, de “medidas destinadas a promover a redução dos gastos com bens e serviços, priorizando a manutenção de contratos absolutamente indispensáveis ao funcionamento dos serviços essenciais” do Parlamento.

Licitação deserta

O segundo pregão para comprar livros, planejado para novembro e orçado em R$ 103 mil por 252 títulos, teve o mesmo desfecho: foi revogado um mês após ser aberto. Na ocasião, segundo a Câmara, não apareceu um cristão sequer interessado no pregão presencial após publicação do edital, razão pela qual o processo foi dado como deserto. Como a licitação estava vinculada a crédito do orçamento de 2020, se fosse aberto outro processo em dezembro, não haveria tempo hábil para concluí-lo, inclusive com entrega do material que viesse a ser comprado.

Agora, a Câmara retoma o assunto da compra de livros sob a alegação de que, desde 2011, o acervo não é renovado. Criada em 2009, a Biblioteca Legislativa Sônia Cortez tem inúmeros frequentadores, de crianças a adultos, com público diverso, que vai de servidores públicos a vestibulandos e concurseiros. Seu espaço é utilizado para estudos, visitação e empréstimos de livros, um dos motivos que está fazendo o Parlamento pedir três exemplares no edital do novo pregão: um exemplar vai ficar permanente na biblioteca para demanda de pesquisas e dois poderão ser emprestados a usuários previamente cadastrados.