Esportes

Bragantino vence de virada o Vila Nova no Mangueirão, mas está eliminado da Copa do Brasil

A torcida paraense mais uma vez foi ao Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém, para empurrar o Bragantino Clube do Pará rumo à classificação para a quarta fase da Copa do Brasil. Na tarde deste sábado (20), o Tubarão do Caeté recebeu o Vila Nova-GO na capital paraense e venceu, por 2 a 1, pelo jogo de volta da terceira fase da competição nacional. Como havia perdido no jogo de ida em Goiânia, por 2 a 0, o placar agregado ficou em 3 a 2 para o Tigre, que avançou e vai encarar o Juventude-RS.

O Vila Nova abriu o placar logo no primeiro minuto de jogo: após cruzamento na área, o goleiro Axel falhou e Facundo Boné mandou para o fundo do barbante. O Bragantino chegou ao empate ainda no primeiro tempo, com um golaço de falta assinalado por Marco Goiano, aos 39 minutos. A virada do Tubarão aconteceu no segundo tempo, quando Marco Goiano cobrou falta e Paulo de Tárcio marcou de cabeça, aos 33 minutos. O árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza, da Paraíba, expulsou dois jogadores do time paraense: Paulo de Tárcio e Pecel.

Com a eliminação na Copa do Brasil, o Bragantino agora foca as atenções no Campeonato Brasileiro da Série D. O Tubarão estreia contra o River-PI no próximo dia 5 de maio, às 16h, no Estádio Albertão, em Teresina. As duas equipes estão no Grupo A4, ao lado de Floresta-CE e Santa Cruz-RN. Além da boa campanha na Copa do Brasil, o Bragantino conquistou o terceiro lugar do Campeonato Paraense de 2019, batendo o Paysandu nos pênaltis, por 5 a 3, após empate no tempo normal em 1 a 1, no Estádio Leônidas Castro, a Curuzu, em Belém.

O jogo: Tubarão 2 x 1 Tigre – Faltou mais um gol!

Logo no primeiro minuto de jogo, após cruzamento da direita, o goleiro Axel falhou e Facundo Boné só teve o trabalho de empurrar para o fundo do barbante, 1 a 0, para o Tigre no Estádio Mangueirão. O gol foi um balde de água fria no time paraense. Na sequência, o mesmo Facundo Boné recebeu bom lançamento entre os zagueiros do Bragantino e, de frente, chutou em cima do goleiro Axel.

Só dava Tigre e outra vez com Facundo Boné, que agora fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Rafael Silva, antes da bola chegar ao atacante do Vila Nova, o zagueiro Romário chegou para fazer o corte. O Tubarão finalmente assustou, quando Marco Goiano inverteu bola para Lukinha, que cruzou para Bruno Limão. O lateral-direito disparou por cima da meta do goleiro Rafael Santos.

A resposta do time de Goiânia veio imediatamente: depois que Facundo Boné cruzou da esquerda para o chute de primeira de Helder, o goleiro Axel fez grande defesa e salvou os paraenses do segundo gol. O Tigre era muito perigoso no ataque. Em outra oportunidade, o atacante Capixaba fez boa jogada e cruzou; a bola sobrou para Rafael Silva, que tentou marcar de cabeça, mas o zagueiro Gabriel Gonçalves chegou junto e aliviou o perigo.

Em outra descida perigosa, Facundo Boné entrou livre dentro da área e mandou um chute por cima da meta do goleiro Axel Lopes. O Bragantino respirou depois que Gabriel Gonçalves descolou lançamento para Bruno Limão, que cruzou para o atacante Fidélis meter a cabeça na bola, mas ninguém do Braga apareceu para completar. No lance seguinte, Wilker tentou fazer jogada individual; a redonda sobrou para Lukinha que cruzou para Marco Goiano, o meia passou da linha da bola e a torcida ficou no “uh” no Mangueirão.

O lance deu uma animada no time do Bragantino, que chegou novamente depois de uma bela troca de passes. Fidélis rolou para o chutaço de Marco Goiano, mas a bola foi sem muita direção para fora. De tanto insistir, o Tubarão chegou lá: Marco Goiano cobrou falta com perfeição e marcou um golaço, aos 39 minutos, 1 a 1. O time paraense foi para a pressão no final do primeiro tempo. Marco Goiano tentou fazer jogada individual e foi desarmado, mas a bola sobrou para Paulo de Tárcio que chutou e a redonda desviou na zaga, indo nas mãos do goleiro Rafael Santos.

No último lance da primeira etapa, Marco Goiano cobrou falta na área, o goleiro Rafael Santos saiu bem e, antes da chegada do zagueiro Gabriel Gonçalves, conseguiu fazer a defesa para o Tigre. Na etapa final, o Vila Nova chegou primeiro. Facundo Boné cruzou, a zaga do Bragantino afastou e o atacante Bruno Mota emendou um belo voleio. A bola passou raspando o travessão do goleiro Axel.

O Bragantino assustou depois que Wilker rolou para o chute de Paulo de Tárcio; o goleiro Rafael Santos teve que se virar e defender em dois tempos. O Tubarão ensaiou uma pressão. Marco Goiano cobrou escanteio, o goleiro Rafael Santos defendeu e soltou; a zaga chegou despachando o perigo que rondava a meta do Tigre. O segundo gol dos paraenses saiu aos 33 minutos, depois que Marco Goiano cobrou falta e Paulo de Tárcio cabeceou para o fundo do barbante, virando a partida para 2 a 1, festa no Mangueirão.

O Bragantino precisava de mais um gol para levar a decisão da vaga para os pênaltis. Em uma sobra de bola, após escanteio, Bruno Limão soltou a bomba, a bola caprichosamente bateu na trave e não entrou. O Vila Nova teve tudo para matar em dois lances seguidos: primeiro, Juninho recebeu livre e disparou para a grande defesa de Axel; na segunda chance, Helder entrou sozinho na área e o goleiro Axel saiu na coragem e ficou com a bola.

O volante Paulo de Tárcio recebeu uma falta e acabou revidando no jogador Bruno Mota do Vila Nova: o árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza, da Paraíba, mostrou cartão vermelho ao atleta do Bragantino e cartão amarelo para Bruno Mota, do Tigre, aos 47 minutos. No lance seguinte, o atacante Pecel, do Tubarão, acertou o adversário no meio de campo. O árbitro paraibano considerou agressão e mostrou o cartão vermelho para mais um atleta do time paraense, aos 49 minutos. Placar final: Bragantino 2 x 1 Vila Nova. O Tubarão do Caeté foi eliminado da Copa do Brasil, mas saiu aplaudido pela torcida paraense que foi ao Estádio Mangueirão.

FICHA TÉCNICA

BRAGANTINO: Axel; Bruno Limão, Romário, Gabriel Gonçalves e Esquerdinha; Kaique, Paulo de Tárcio, Lukinha (Mauro Praia) e Marco Goiano; Fidélis (Pecel) e Wilker.
Técnico: Samuel Cândido

VILA NOVA: Rafael Santos; Felipe Rodrigues, Wesley Matos, Philipe Maia e Helder; Joseph (Denner), Facundo Boné (Juninho), Ramon e Neto Moura; Capixaba e Rafael Silva (Bruno Mota).
Técnico: Eduardo Baptista

Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza (PB)
Assistentes: Anderson José de Moraes Coelho (SP) e Bruno Salgado Rizo (SP)

Cartões amarelos: Marco Goiano, Kaique, Fidélis e Gabriel Gonçalves (Bragantino); Joseph, Rafael Silva, Facundo Boné, Denner, Philipe Maia e Bruno Mota (Vila Nova)
Cartões vermelhos: Paulo de Tárcio e Pecel (Bragantino)
Gols: Facundo Boné, a um minuto do 1° tempo para o Vila Nova; Marco Goiano, de falta, aos 39 minutos do 1° tempo e Paulo de Tárcio, de cabeça, aos 33 minutos do 2° tempo para o Bragantino

Local: Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém

Deixe seu comentário