Atos lembram morte do prefeito Jones William

O chefe do Executivo de Tucuruí foi assassinado há exatos quatro anos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Prefeito Jones William

Continua depois da publicidade

Às 16h de uma terça-feira, dia 25 de julho de 2017, o prefeito Jones William da Silva Galvão sofria um atentado que lhe tirou a vida de forma trágica. Era o fim de uma trajetória política em ascensão no município de Tucuruí, no sudeste paraense. Para homenageá-lo, duas cerimônias neste domingo (25) marcam os quatro anos do seu falecimento.

Jones William, como era popularmente conhecido em Tucuruí, será homenageado com uma “missa da saudade” na Igreja São José Operário, em frente à Câmara de Vereadores, com a presença de familiares, autoridades, amigos e populares. A segunda homenagem foi comandada pelo atual prefeito Alexandre Siqueira, que entregou a reforma da sede do Executivo Municipal, batizada de Palácio Executivo Prefeito Jones William da Silva Galvão. O projeto de lei é de autoria do vereador Weber Galvão, irmão de Jones.

Quatro anos após a morte do prefeito, de acordo com o vereador: “O processo criminal segue em segredo de Justiça, mas acredito que brevemente os culpados irão pagar pelo mau que fizeram com a nossa família”.

Jones foi assassinado no dia 25 de julho, quando vistoriava uma obra de recuperação da estrada do Aeroporto Regional de Tucuruí. Naquela tarde, ele foi alvo de um pistoleiro que desferiu vários disparos de arma de fogo. O autor do homicídio fugiu e a vítima chegou a ser encaminhada ao Hospital Regional de Tucuruí, mas não resistiu aos ferimentos.

Encerrava ali a vida política do prefeito que chegou ao comando do município após vencer as eleições municipais de 2016 e passar pelo Poder Legislativo. Era chamado de “menino do Getat”, em alusão ao bairro onde nasceu e cresceu.

Bruno Marcos de Oliveira, de 22 anos, era o principal suspeito pela morte do prefeito. Ele foi morto durante uma tentativa de resgate de presos no Complexo Penitenciário Santa Izabel, no Pará, em abril de 2018. (Antonio Barroso)

Deixe seu comentário

Posts relacionados