Assalto a motorista de táxi por aplicativo tem saldo de um morto e outro preso

Logo após ter sido assaltado o condutor encontrou uma guarnição da Polícia Militar que saiu na caça aos bandidos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um assalto a um motorista de táxi por aplicativo, por volta das 21h45 de ontem, quinta-feira (11), terminou na prisão de João de Deus Martins Sales, 21 anos de idade, natural de Belém (PA), e na morte de Keven Kemeson Bezerra de Sousa, de 18 anos, também natural da capital. O indivíduo morto reagiu à presença de uma equipe da Polícia Militar, atirando nos agentes da lei, que reagiram e o balearam. Já o comparsa se entregou imediatamente. O caso ocorreu na Rua 4 do Polo Moveleiro, divisa com o Bairro dos Minérios.

João de Deus

O condutor assaltado, cujo nome foi mantido em sigilo, contou que a dupla apanhou seu carro no Bairro Betânia, com destino ao Bairro dos Minérios. Ao chegar ao destino, eles o imobilizaram, apontaram uma arma para a cabeça dele e lhe tomaram a renda, o celular e o relógio de pulso.

Keven Kemeson

Minutos depois de ter sido assaltado, ele encontrou a guarnição policial militar, contou que havia sido vítima de assalto e informou as características dos criminosos. Em rondas entre o Bairro dos Minérios e o Polo Moveleiro, os PMs não demoraram a avistar os acusados saindo de um matagal.

Imediatamente, a guarnição ordenou que a dupla parasse ali mesmo. Keven de Sousa, porém, resolveu reagir atirando nos policiais. Entretanto, acabou baleado mortalmente. Enquanto João de Deus Sales jogou-se ao chão, se rendendo.

Interrogado, ele confessou que vinham cometendo assaltos desde terça-feira (9) e revelou o endereço em que estava escondido o produto dos roubos, uma casa na Rua Ângela Diniz, no Bairro da Paz, onde os policiais encontraram diversos objetos, entre estes, cinco aparelhos celulares, três relógios de pulso e R$ 66,00. Com Keven, a PM encontrou uma pistola calibre 380, com duas munições intactas e uma deflagrada. 

Na Delegacia de Polícia Civil, o condutor reconheceu a dupla de assaltantes, disse que teve ” muita sorte” de ter encontrado os policiais militares logo após ter sido assaltado e aconselhou outras pessoas vítimas da dupla a procurarem a DP para registrar queixa.

Ouvido pela Reportagem, João de Deus disse que chegou de Belém há cinco meses em busca de emprego, não conseguiu e conheceu o comparsa, que tem extensa ficha de crimes, e esta semana, topou cometer assaltos com ele. Ao ver o colega morto, disse que foi a primeira vez que saiu para roubar e que está arrependido. “É um caminho sem volta”, constatou.

(Caetano Silva)