Arthur Lira e Ciro Nogueira montam estratégia para aprovação de reformas propostas pelo governo

Nomeação de aliados em relatorias-chave pretende acelerar trâmite das matérias
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Ministro Chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira (esq.) e o presidente da Câmara Arthur Lira, fazem o sinal de ok ao fotógrafo

Continua depois da publicidade

Brasília – Há cem dias do final do ano legislativo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), cada dia mais afinado com o governo, e o senador licenciado e ministro da Casa Civil Ciro Nogueira, montaram com integrantes do governo uma estratégia para aprovar a principais reformas prometidas pelo governo. O pano de fundo é “turbinar” a retomada dos índices de aprovação do governo em queda há três meses e nas vésperas de ano eleitoral, em que estará em jogo a reeleição dos atores envolvidos nessa operação de engenharia política.

A equipe econômica do governo Bolsonaro continua sendo a mais criticada em comparação com as demais pastas do governo. Não conseguiu cumprir duas importantes promessas de campanha: aprovar as reformas tributária e administrativa. Tanto o governo quanto o Congresso, na figura dos presidentes da Câmara e do Senado, correm contra o tempo para evitar que tais questões fiquem para 2022 — ano eleitoral, no qual se potencializam as dificuldades de aprovar temas polêmicos e também porque o Parlamento funciona à meia boca.

Arthur Lira (PP-AL) tem empenhado esforços para acelerar pautas de interesse dele, de seu grupo político e do governo, até porque, a partir de outubro, a Casa voltará a decidir tudo de forma presencial. Ciente de que não será tão fácil passar o tratoraço, tem designado aliados para cargos estratégicos em comissões e para relatorias de projetos que podem destravar algumas das principais pautas. Na última semana, por exemplo, ele colocou o presidente interino do PP, deputado André Fufuca (MA), na relatoria do passaporte tributário — uma das etapas da reforma tributária.

Fufuca está no segundo mandato e é aliado de Ciro Nogueira — um dos cardeais do Centrão, que deixou a presidência do PP para ser ministro da Casa Civil de Bolsonaro —, e de Lira. Fufuca como agradecimento, rasgou elogios ao senador piauiense e disse que a articulação do governo com o Congresso deu um salto de qualidade.

“A questão da articulação política melhorou com a chegada do Ciro Nogueira à Casa Civil. Ele conseguiu articular melhor. O que faltava era organização”, disse Fufuca. Ele também vê que o momento para a aprovação das reformas tem que ser agora. “Estamos vendo a reforma administrativa avançando”.

Segundo fontes do Centrão, quem toca a articulação da reforma administrativa é o próprio Ciro. O tema enfrenta forte resistência de grupos organizados de servidores e há dúvidas sobre a viabilidade dela no Plenário da Câmara, já que, para passar pela Comissão Especial, precisou ser desidratada pelo relator, Arthur Maia (DEM-BA).

Fufuca admite que Lira o procurou pedindo celeridade à pauta, que, segundo ele, é fundamental para destravar a agenda econômica. O que o deputado tem em comum com outros parlamentares, que têm assumido relatorias importantes, é o fato de ter trabalhado ativamente na campanha do deputado alagoano para presidente da Câmara.

Outra resistência parte dos “marajás” do Judiciário, desde os ministros às copeiras das Cortes Superiores. Não querem, de jeito nenhum, que mexam nos penduricalhos que garante a alguns, salários superiores a R$ 150 mil mensais, muito acima do teto constitucional.

Em fevereiro, o deputado Silvio Costa Filho (Republicanos-PE) foi designado relator do projeto da autonomia do Banco Central, logo após a vitória de Lira. Na ocasião, o presidente da Casa retirou a proposta das mãos do MDB, que havia apoiado a candidatura de Baleia Rossi (MDB-SP).

O padrão se repetiu nos meses seguintes. No caso da reforma tributária, por exemplo, o deputado Celso Sabino (PSL-PA) — que é auditor fiscal da Secretaria de Fazenda do Pará —, foi escolhido para relatar o PL 2.337/2021, que trata das mudanças no Imposto de Renda. Esse cargo havia sido prometido ao deputado Luís Miranda (DEM-DF), que o perdeu quando denunciou o presidente Jair Bolsonaro e o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), por suposto envolvimento num esquema de compra de vacinas superfaturadas pelo Ministério da Saúde, o que ainda não foi plenamente esclarecido na CPI da Covid no Senado.

Sabino trocou o PSDB pelo PSL em um evento que contou com a presença de Lira e do presidente do DEM, ACM Neto. DEM e PSL, aliás, estudam se fundirem numa única legenda para terem aspirações maiores nas próximas eleições. Outro que também tem proximidade com Lira e ganhou uma relatoria importante foi Hugo Leal (PSD-RJ), escolhido como relator-geral do orçamento de 2022, um dos cargos mais cobiçados no Congresso Nacional por razões óbvias.

O deputado Hugo Motta (Republicanos-PB) é outro que foi aquinhoado em razão de sua fidelidade aos planos do Centrão, sendo designado relator da PEC dos Precatórios — de extrema importância para que o governo consiga bancar o Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família.

Integra a lista Vip a deputada Celina Leão (PP-DF), que estava na Secretaria de Esportes do governo do Distrito Federal, foi forte articuladora na campanha de Lira à presidência da Câmara e decidiu voltar ao mandato após sua vitória. Agora é responsável pela mobilização dentro da Câmara das legendas que compõem o Centrão.

Fio do bigode

Na elite política nacional a antiga regra do “fio de bigode” quando se empenha a palavra e ela é cumprida é passaporte para cargos importantes. Quem também conseguiu uma relatoria estrelada foi a deputada federal Margarete Coelho (PP-PI) — parlamentar de confiança de Arthur Lira —, faz parte da “tropa de choque” do presidente da Câmara, é professora universitária de Direito e cuida de questões jurídicas, que são sua especialidade. Ela foi a relatora do projeto do novo Código Eleitoral. A parlamentar garantiu que o fato de ela e os colegas terem atuado na campanha de Lira não foi um fator essencial para assumirem relatorias ou cargos importantes em comissões.

“Quem indica o relator é a bancada. A distribuição tem sido mais ou menos equânime. Como o presidente teve maioria na Câmara, acabou acolhendo quem o apoiou. Tem a ver mais com a maioria que ele conseguiu formar”, disse.

Para ela, sob a liderança de Lira, a Casa tem sido “extremamente responsável” e “demonstrado compromisso” com as pautas não só do Executivo, mas, também, de parlamentares. “Foi um compromisso do Lira na campanha, de não engavetar projetos, não ter uma pauta preferencial; representar a Casa e dar conta dos desafios que o Brasil enfrenta. Nesse aspecto, ele tem cumprido suas promessas”, observou.

Margarete ressaltou que os projetos encaminhados ao Plenário vêm amadurecidos pelas bancadas. Sendo assim, há maior possibilidade de aprovação. “Na parte da Câmara, estamos bem. No Senado, está mais devagar. Claro que questões como reforma tributária e administrativa são temas espinhosos para a Casa, porque tem o corporativismo, tem as militâncias. A reforma tributária, por exemplo, interessava muito ao mercado financeiro e tem toda uma complexidade em torno dela”, pontua a parlamentar.

Embora o esforço tenha contornos de um “tratoraço”, aquilo que tem sido aprovado na Câmara está tendo dificuldade no Senado, como é o caso da reforma política e tributária. De um lado, há uma dificuldade de coordenação entre Senado e Câmara. Por outro, do governo, que nunca teve uma articulação competente e que só agora começa a avançar.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.