Aprovação da LDO nesta quarta-feira dará início ao recesso na Alepa

Projeto sobre diretrizes orçamentárias para 2020 recebeu 95 emendas, com 34 acatadas, e está na pauta da última sessão do período legislativo.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Seis projetos estão na pauta de discussão e votação da Assembleia Legislativa desta quarta-feira, 26, mas nenhum deles é mais importante que o que dispõe sobre a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), para o exercício financeiro de 2020, de autoria do Poder Executivo. A matéria precisa ser aprovada, para que os deputados deem início ao recesso parlamentar, período em que eles, em sua maioria, percorrem suas bases políticas.

A LDO recebeu 95 emendas, mas apenas 34 receberam parecer favorável da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e serão votadas juntamente com o texto original do Executivo, que poderá sancioná-las ou vetá-las. Já as 61 emendas que não foram acatadas deverão ser votadas em bloco.

Caso o autor de algumas das emendas já rejeitadas deseje, poderá destacar a sua proposta, para discussão e votação em plenário. Mas tudo indica que a votação da LDO será tranquila já que os acordos começaram a ser costurados dentro da própria CFFO com o líder da Oposição, deputado Eliel Faustino (DEM).

Como parte do acordo, Faustino retirou duas emendas de sua autoria que acrescentavam 0,05% no orçamento da Defensoria e 0,10%, no do Ministério Público. Isso depois de o líder do Governo na Alepa, deputado Chicão (MDB), informar que o governador Helder Barbalho conversou com os chefes dos dois órgãos e ainda com o Tribunal de Justiça do Estado (TJPA) sobre a impossibilidade de reforçar o caixa das três instituições.

Contudo, o governador assegurou que vai fará suplementação orçamentária a esses órgãos em caso de o orçamento estourar, conforme alertado principalmente pela Defensoria Pública, que há anos espera maior reconhecimento do Estado para o desenvolvimento das suas atividades. Eliel Faustino foi convencido pelo líder governista e retirou suas emendas por acreditar que o governo “vai realizar e cumprir os seus compromissos”.

Mais projetos

Além da LDO, fazem parte da última pauta do semestre da Alepa projeto, também do Executivo, que faz alterações na Lei nº 6.099/97, que cria a Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon). Outra proposição é do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PA), que promove reajuste salarial do quadro de pessoal do órgão.

Ainda na pauta dois projetos de resolução criam frentes parlamentares: a de acompanhamento do projeto e da execução das obras de derrocamento do Pedral do Lourenço, do deputado Renato Ogawa (PR) e a de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável no Estado do Pará, da deputada Heloísa Guimarães (DEM).

Um sexto projeto, do deputado Hilton Aguiar (DEM), declara como de utilidade pública para o Pará a “Casa Azul”, Centro Especializado em Autismos.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Foto: Assessoria de Imprensa/Alepa

Publicidade

Relacionados