Analistas estimam corte de até metade nos dividendos da Vale

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Conselho da mineradora se reunirá até o final desta semana para definir os dividendos deste ano. Cenário ruim do deve afetar em cheio a distribuição de lucros

Por Infomoney
23-brasilNão é só a Petrobras que está em evidência no noticiário corporativo. Uma das maiores empresas da BM&F Bovespa também passa por uma semana decisiva.

A Vale apresentará até o fim desta semana sua proposta de dividendos mínimos para 2015 – e a expectativa não é muito boa para quem quer ganhar essa “remuneração extra”.

Dada a grande dificuldade encontrada pela empresa em lidar com a derrocada dos preços do minério de ferro – que operam nas suas mínimas desde 2009 –, especialistas indicam que, para a mineradora manter sua saúde financeira, ela terá de escolher um de dois cenários possíveis: ou segue com seu ritmo de investimentos em Carajás – seu maior projeto – ou mantém os altos dividendos. Não há como a companhia continuar com ambos e a tendência é que companhia opte por reduzir a remuneração destinada aos acionistas.

A Vale deve pagar US$ 2,2 bilhões em dividendos neste ano, o que representa 47% menos que em 2014. Esse será o nível mais baixo desde 2007, segundo a estimativa média de 12 analistas consultados pela Bloomberg. Andreas Bokkenheuser, analista de ações da UBS Group AG – que estima um montante de US$ 2 bilhões em dividendos – considera que os preços do minério de ferro se estabilizarão após o primeiro trimestre. Desse modo, a empresa optaria por manter os níveis de alavancagem e seus planos de investimento.

Indo na mesma direção, os analistas Renato Antunes e Milton Sullyvan, do banco Brasil Plural, acreditam que para atrair mais valor, mesmo que no longo prazo, o ideal seria a Vale focar seu investimento em Carajás e não os dividendos. Para a dupla, os dividendos mais baixos devem aumentar a confiança do investidor no “case” de longo prazo da Vale. Desse modo, seria melhor que uma satisfação maior apenas no curto prazo por conta de dividendos mais altos. “Para nós, o investimento em Carajás não é apenas uma escolha, mas uma obrigação para o case de longo prazo da Vale”, afirmam Antunes e Sullyvan.

Cabe mencionar que não é 100% garantido que a definição da remuneração aos acionistas saia nesta semana. Segundo a assessoria de imprensa da mineradora, “a diretoria executiva propõe a remuneração mínima ao acionista em janeiro e a submete ao conselho de administração em abril”, mas não há confirmação da data ainda.