Analfabetos ainda humilham graduados no Pará

Batalha numérica é de 640 mil analfabetos ante 628 mil com superior completo. Batalhão de pessoas sem instrução no estado revela face da desigualdade puxada pela educação precária.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Estado com um dos piores indicadores de desenvolvimento do país e com extrema dificuldade em virar o jogo em várias áreas basilares para turbinar a qualidade de vida da população, o Pará segue sendo um dos maiores bolsões de cidadãos sem instrução do país. As informações provêm da mais recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (PnadC-T), assinada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Pará contabiliza, em pleno século 21, uma população de 640 mil pessoas que estudaram menos de um ano ou de jeito algum. É uma caravana que daria para erguer do nada três cidades do tamanho de Parauapebas só com analfabetos e cidadãos sem instrução. Infelizmente, essa é a 8ª maior população de desinstruídos do Brasil, à frente dos volumes registrados no Paraná (625 mil) e no Rio Grande do Sul (472 mil), estados bem mais populosos que o Pará.

Segundo o IBGE, a taxa de analfabetismo do estado nortista está em 8,1%. Ela é superior à taxa de pessoas com ensino superior completo, de 7,9%. Atualmente, o Pará tem 628 mil habitantes com diploma de ensino superior. É bem menos que os volumes de Santa Catarina (998 mil), Goiás (807 mil) e Distrito Federal (740 mil), Unidades da Federação com muito menos habitantes.

2º pior em nível superior

A maior economia da Região Norte é um dos poucos lugares do país onde, ainda hoje, os analfabetos são maioria. Nos vizinhos Amazonas, Amapá e Tocantins, por exemplo, enquanto o analfabetismo gira em 8,1%, 8,6% e 9,8% respectivamente, a taxa de população com nível superior alcança 10,3%, 11,3% e 12,1%.

Além do descompasso, o Pará também possui a 2ª pior proporção de população com diploma universitário. Os 7,9% de paraenses com curso superior só não perdem para os 6,4% de maranhenses. Em Alagoas e Piauí, considerados estados “atrasados” como o Pará, as taxas são de 8,2% e 9%. A melhor situação é registrada no Distrito Federal, onde 25,8% dos moradores têm ensino superior completo. Em seguida vêm São Paulo (17,8%) e Rio de Janeiro (17,5%).

Em termos de analfabetismo, as maiores taxas são verificadas em Alagoas (14,1%), Piauí (12,6%), Maranhão (12,2%) e Bahia (12,1%). Por outro lado, Santa Catarina e Rio Grande do Sul (4,4%) ostentam a menor taxa do país, seguidos de perto por Rio de Janeiro (4,5%) e São Paulo (4,7%). O Brasil registrava até março 13,898 milhões de cidadãos sem instrução (7% da população), mas praticamente o dobro com ensino superior completo, 26,187 milhões (13,3%).

Entre as capitais, Belém tem a 9ª menor taxa de analfabetismo do país, 4,1%, a melhor da Região Norte e que supera capitais como Goiânia (GO), 4,8%, e Recife (PE), 4,7%. São 58 mil analfabetos na capital paraense ante 252 mil pessoas com canudo de faculdade nas mãos. Nesse critério de ensino superior, entretanto, Belém é a 10ª pior capital, com apenas 17,9% de sua população diplomada. É praticamente metade da taxa de Vitória (ES), onde 34,1% dos moradores concluíram curso superior.