Alepa começa analisar planos do governo para o período 2020-2023

PPA informa as ações e aplicações de recursos em cada uma das 12 regiões integradas do Pará. Deputados querem detalhes sobre os investimentos nos municípios.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Enviado à Assembleia Legislativa em 30 de agosto passado, o Plano Plurianual do Estado do Pará (PPA) para o quadriênio 2020-2023 somente agora começa a ser analisado pelos deputados, que precisam aprovar a matéria antes do recesso parlamentar de dezembro.

O projeto tem mais de mil páginas em dois volumes que apresentam 26 programas estratégicos de governo estruturados em 421 compromissos regionais, 79 objetivos, 471 ações, 28 indicadores de resultado e 68 de processo. A distribuição de recursos e de ações é feita pelas 12 regiões integradas do Pará, sem detalhamento do que é previsto para cada município, o que foi reclamado pelos deputados.

Diante disso, o presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) da Alepa, deputado Júnior Hage (PDT), decidiu ainda não abrir o prazo de 15 dias para as emendas parlamentares. A abertura vai ocorrer depois que o parlamentar receber informações solicitadas à Secretaria de Estado de Planejamento (Seplan).

“Eu ainda não abri o prazo de emenda porque solicitei à Seplan o detalhamento por município, conforme a vontade dos deputados. O PPA é lei que vai ditar as ações do Governo do Estado do período de 2020 a 2023. É uma matéria complexa, por isso os deputados já devem começar, previamente, suas respectivas análises”, diz Júnior Hage.

Conforme o PPA, as ações do governo serão balizadas em metas previstas para a educação, juventude, cultura, saúde, segurança, infraestrutura, desenvolvimento econômico, desenvolvimento social, qualidade de vida, equilíbrio fiscal e modernização institucional.

Por várias vezes, o projeto fala em desafios diante de índices que precisam ser melhorados no Pará, onde 41,5% da população estão abaixo da linha da pobreza, de acordo com o Cadastro Único da Assistência Social, 9,42% dos habitantes são analfabetos. “Indicativos que pressionam novas demandas na promoção de políticas públicas”, diz o texto do PPA.

Planejamento enxuto

Na mensagem anexada ao projeto, o governador Helder Barbalho diz que se procurou fazer um planejamento enxuto “com ações que farão a diferença para melhor na vida dos paraenses, uma vez que no Plano Plurianual anterior apenas 33% dos compromissos foram executados até a presente data”.

O governador argumenta que os desafios são ainda maiores porque ele recebeu o Estado com desequilíbrio fiscal e com altas despesas de pessoal e de custeio. “Sabemos que assegurar o equilíbrio fiscal é fundamental para qualquer governo, sendo o caminho para a credibilidade e a confiança por parte dos contribuintes, empresas e investidores”, diz Helder Barbalho.

Ações destacadas

No PPA 2020-2023, o maior volume de recursos vai para a educação básica em todas as regiões. O projeto prevê investimentos em reformas e reaparelhamento das escolas, o fortalecimento dos programas de transporte escolar e a valorização dos profissionais de educação.

Na mensagem, o governador destaca algumas das ações em outras áreas. Na segurança pública, haverá aumento do efetivo dos policiais e reaparelhamento das polícias bem como a readequação das casas penais. Na área de saúde “vamos estabelecer um novo patamar de atenção à mulher paraense, com a inauguração de um hospital dedicado a elas”. Outro destaque é para a saúde preventiva e atenção básica.

No setor industrial, o PPA prevê a implantação de Zonas de Processamento de Exportação (ZPEs), a reorganização dos distritos industriais e um programa, via Parceria Público Privada (PPP), de atração de investidores para a cadeia logística do Pará.

No agronegócio, haverá maior fomento à agricultura familiar, principalmente para as culturas do açaí, cacau e abacaxi, além dos investimentos em aquicultura e piscicultura. “Não menos importante é a regularização de terras, que é fundamental para esta cadeia produtiva, além do incremento das barreiras de proteção ao gado e à fruticultura paraense”, diz Helder Barbalho, na mensagem.

Por Hanny Amoras – De Belém