Agricultores de Curionópolis têm renda extra com a colheita do Cajá

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Por Lima Rodrigues

O cajá ou taperebá vem fazendo sucesso no Pará, especialmente no município de Curionópolis, a 35 quilômetros de Parauapebas. Os frutos da cajazeira são muito apreciados pelo excelente sabor de sua polpa. Além disso, apresentam boas características agroindustriais como rendimento de polpa  de 56 % em média e suas características químicas.

cajáHá cinco anos, o que era desperdício passou a ser lucro para várias famílias da região. A colheita do cajá no Pará vai de dezembro ao final de abril, no máximo, início de maio. Os resultados são surpreendentes, de acordo com Raimundo Jorge Souza, do escritório da EMATER em Curionópolis e Mauro Melo, presidente da Cooperativa Mista dos Produtores Rurais de Carajás, a Cooper, com sede em Parauapebas.

Os 120 produtores cadastrados produziram neste ano 194 toneladas de cajá, ou seja, faturaram mais de 232 mil reais. Só o agricultor José Neto, o campeão deste ano, colheu quatro mil e 191 quilos. Em média cada produtor faturou cerca de dois mil reais,  um dinheiro extra que entrou nas contas das famílias. O cajá é colhido uma vez por ano. Nos outros meses, os produtores prosseguem com suas atividades agrícolas e pecuárias normalmente, contribuindo com o desenvolvimento do sudeste do Pará.

Para comemorar estes resultados, todo ano é realizada a Festa do Cajá. Este ano, o evento ocorreu no sábado, dia 11 de abril, na comunidade do Curral Preto, na região do rio Sereno, perto do antigo garimpo de Serra Pelada.

cajá2Promovida pela Associação dos Pequenos Produtores Rurais do Leandro – ASPRUL -, com o apoio da Prefeitura de Curionópolis, EMATER, Cooper e Vale, entre outras parceiras, a Festa do Cajá reuniu centenas de famílias e produtores de vários locais para uma grande confraternização. Lá, foram montadas várias barracas com produtos da região e, claro, doces, picolés, geladinhos, pudins, mousses e outras delícias feitas com a polpa do cajá.

A programação foi extensa, iniciando logo cedo com um culto ecumênico e depois a realização de diversas palestras sobre a importância do cajá, ministradas por técnicos da EMATER. Houve ainda a corrida de jegue e o concurso da Miss Cajá 2015. Alice Oliveira de Moraes, de 14 anos, lá mesmo da comunidade do Curral Preto foi a vencedora e disse que estava muito feliz. Em segundo lugar ficou Sara Cíntia de Barros e em terceiro lugar Cleonice Costa Santos. Sete candidatas participaram da disputa.

Foi uma festa bem organizada e os produtores rurais de Curionópolis puderam comemorar mais uma vez a boa colheita do cajá ou taperebá, como alguns preferem chamar o delicioso fruto.