ACIACCA pede revisão do decreto sobre fechamento do comércio de Canaã por 8 dias

Pelo decreto municipal, a partir desta quinta-feira (14), serviços não essenciais estarão proibidos de funcionar
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O presidente da Associação Comercial, Industrial e Agropastoril de Canaã dos Carajás (ACIACCA), Wender Damaceno Ribeiro, divulgou na noite desta quarta-feira (13), um vídeo para informar que protocolou, junto à prefeitura, um documento solicitando a revisão do Decreto Municipal nº1144/2020. A ACIACCA pede que seja suspenso o parágrafo que determina o fechamento dos estabelecimentos comerciais, entre os dias 14 e 21 de maio.

Segundo a ACIACCA, por causa da crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus, o comércio de Canaã registrou uma queda de 70% no movimento. “Algumas empresas não suportariam ficar fechadas por oito dias. Nós estamos pedindo que vocês olhem pela saúde financeira de nossas empresas,” enfatizou Wender.

O presidente da ACIACCA destacou, ainda, que as empresas tomaram medidas de segurança para evitar o contágio da Covid-19. “Nós já temos dentro de nossas empresas, pias do lado de fora, nós já estamos usando máscara, nós temos álcool em gel”.

A ACIACCA tem participado, desde março, das reuniões junto ao poder público, sobre o enfrentamento à Covid-19, contribuindo com a elaboração de medidas que garantissem a segurança da comunidade, mas evitando o fechamento do comércio.

Vídeo divulgado por Wender Damaceno Ribeiro, presidente da ACIACCA sobre o Decreto Municipal nº1144/2020

Protestos

A ACIACCA também divulgou um segundo vídeo onde Wender Ribeiro fala de áudios de WhatsApp, onde algumas pessoas estariam convocando protestos contra o Decreto Municipal. “Recebemos vários áudios falando que iam fechar estradas, fechar a Vale. Queremos falar que nós da ACIACCA não compactuamos com a desordem. Nós estamos correndo atrás para melhorar o nosso comércio, através de meios legais. Nós queremos nosso comércio funcionando, mas de maneira legal”.

Wender Ribeiro informou que uma nova reunião com a prefeitura está marcada para essa quinta-feira (14), com objetivo de reverter essa situação.

Publicidade