129 toneladas de cobre sem documentação fiscal e ambiental são apreendidas em Belém

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Uma carga de 129 toneladas de cobre é motivo de denúncia de furto que teria ocorrido em dezembro no município de Ourilândia do Norte, sudeste do Pará. O produto foi transportado via rodoviária, em containers, até o porto Amazon Dry Port, na rodovia Arthur Bernardes, em Belém, onde está apreendido desde o último final de semana.

FOTO: ASCOM SEMAS
DATA: 14.01.2016
BELÉM - PARÁUma carga de 129 toneladas de cobre é motivo de denúncia de furto que teria ocorrido em dezembro no município de Ourilândia do Norte, sudeste do Pará. O produto foi transportado via rodoviária, em contêineres, até o porto Amazon Dry Port, na rodovia Arthur Bernardes, em Belém, onde está apreendido desde o último final de semana.

O diretor de Investigação de Operações Especiais, da Polícia Civil, delegado Neivaldo Silva, acionou a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) para participar da operação em função do produto mineral envolvido na questão. O trabalho conjunto envolve também a Secretaria de Fazenda (Sefa) e o Instituto de Perícias Científicas Renato Chaves.

O delegado Neivaldo Silva estranhou o fato de a embarcação com a carga ter percorrido todo esse trajeto pelas estradas – de Ourilândia do Norte até o porto de Belém – sem qualquer documento fiscal ou ambiental. Além disso, o material já estava todo acondicionado em contêineres, com destino definido para a Índia sem documento autorizando a exportação. “Enquanto não se definir a propriedade do material apreendido e feita as perícias necessárias, não haverá liberação a qualquer interessado, para preservar o interesse do Estado sobre as condições em que esse material seria exportado, bem como os danos ambientais e fiscais ocasionados”.

A fiscalização da Semas, por meio da técnica Sandra Aquino, lavrou um auto de infração a Célio Correa por transporte de minério sem a devida Licença Ambiental. O porto Amazon Dry Port também recebeu notificação para que o produto apreendido não saia do porto sem a necessária autorização do órgão ambiental e da Polícia Civil.

Entenda o caso – O denunciante detalha na ocorrência, que desde o dia 14 de dezembro seguiu a trilha da carga roubada, de sua propriedade, depois que contratou Célio Antunes Correa, para beneficiar o minério comprado da Cooperativa de Mineradores, Agricultores e Colonos de Ourilândia do Norte e Canaã dos Carajás e transportá-lo para Belém, com a finalidade de exportação. Segundo ainda a denúncia, o contratado e a carga sumiram e só foram encontrados em Belém.

Célio Correa, denunciado, narrou aos investigadores que desconhece o denunciante e que adquiriu o produto de uma mineradora de Curionópolis, na mesma região citada.

Ainda há necessidade de se confirmar, através de perícias, se o material é realmente minério de cobre e o Instituto de Perícias Científicas Renato Chaves vai realizar os exames no produto apreendido.

Fonte: Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Relacionados