Uepa participa do Teste de Progresso da Associação Brasileira de Educação Médica

Avaliação de acadêmicos verifica se conhecimento está sendo contínuo e progressivo. Participaram alunos de Marabá, Santarém e Belém.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Universidade do Estado do Pará (Uepa) por meio do curso de Medicina dos municípios de Belém, Marabá e Santarém, vinculados ao Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), participou na última quarta-feira (27), do Teste de Progresso 2021 organizado pela Associação Brasileira de Educação Médica (Abem) com 380 inscritos. O resultado está previsto para o dia 03 de novembro.

O teste de progresso da Abem é uma avaliação cognitiva que verifica se o ganho de conhecimento por parte do estudante está sendo contínuo e progressivo, e como o conhecimento está sendo elaborado e consolidado nas áreas básicas e clínicas, importantes para o aproveitamento do internato e o desenvolvimento final do profissional.

Segundo o coordenador da aplicação do teste de progresso da Abem, Caio Botelho, a Uepa participou com discentes de Medicina dos campus de Belém, Marabá e Santarém e a expectativa é que os alunos do curso tenham um bom aproveitamento como em anos anteriores. “É um momento autoavaliativo para verificarmos o desempenho dos alunos em comparação a outras instituições e consigo mesmo e a Uepa sempre incentiva o corpo discente a participar desta avaliação, tal como podemos perceber na participação dos três cursos de Medicina em Santarém, Marabá e Belém, respectivamente, que tiveram rendimento maior que a média, em todas suas participações em edições anteriores do Teste de Progresso para de escolas médicas”, comentou.

Segundo a Abem, o Teste de Progresso é uma estratégia de avaliação institucional e individual consistente, colocada à disposição da comunidade acadêmica e da comunidade em geral num momento em que a necessidade de avaliação se torna ainda mais relevante, diante da rápida expansão do número de vagas e de escolas médicas.

Com informações UEPA