Tião Miranda vai repaginar entrada da cidade de Marabá

Governo de Tião Miranda quer atualizar área da rotatória entre as BRs 230 e 155, no Km 6 da Nova Marabá, com investimento de R$ 826 mil na construção de pistas laterais no perímetro.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Quem chega a Marabá, por via rodoviária, vindo de cidades como Redenção e Parauapebas, pela BR-155, ou Araguaína, entrando pela BR-230, terá surpresa a partir deste ano. É que o prefeito Tião Miranda mandou dar um tapa no visual da entrada do Km 6, na Nova Marabá, a zona de trânsito mais alvoroçado do sudeste do Pará. O governo do principal município do interior do estado planeja a construção de pistas laterais no cruzamento das BRs 230 e 155, que se encontram na rotatória próxima ao Terminal Agrorrodoviário “Miguel Pernambuco”.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu, a partir o último ato do governo de Tião Miranda no ano que se encerrou (veja aqui). Uma licitação aberta pela Secretaria Municipal de Viação e Obras Públicas (Sevop) para contratação da empresa responsável pela execução das pistas laterais ficou de ter as propostas comerciais conferidas na última segunda-feira (30), véspera da virada. Os serviços têm custo estimado de R$ 826 mil e são decorrentes da tomada de preços de número 50/2019, organizada pela Sevop. Ganha quem oferecer o menor preço global para realizar o empreendimento.

O processo já foi analisado pela Procuradoria-Geral do Município (Progem) e recebeu parecer favorável. Entre outras questões, a pasta analisou a modalidade de contratação e destacou que a tomada de preços é adequada porque pode ser feita em obras e serviços de engenharia de até R$ 3,3 milhões — e a licitação da construção das pistas é de R$ 826 mil.

Pelo edital do certame, o contrato da vencedora da licitação terá duração de dez meses. Mas a empresa deverá ter seis meses para entregar o serviço feito. A obra tem potencial de gerar até 50 postos de trabalho com carteira assinada na construção civil marabaense.

Publicidade