STJ suspende decisão que impedia construção de ponte da Vale em Marabá

Vale argumentou que prévia avaliação do bem não é condição para imissão na posse porque valor ofertado inicialmente poderá ser complementado em momento posterior, caso necessário

Continua depois da publicidade

Quem mora em Marabá, principalmente no núcleo São Félix, sabe que as coisas têm mudado por lá, principalmente após o anúncio oficial da mineradora multinacional Vale de que, no próximo mês, colocará homens e máquinas a postos para erguer a segunda ponte rodoferroviária sobre o Rio Tocantins, um empreendimento de grande magnitude que deve demorar meia década para ficar pronto e que pode gerar até 1.600 empregos com carteira assinada, diretos, no pico das obras.

Surfando nessa onda, o núcleo São Félix, o que atualmente mais cresce populacionalmente na área urbana de Marabá, tornou-se o queridinho de comerciantes e investidores, que correm para comprar terrenos por lá a fim de construir. Com alta procura e pouca oferta, os preços disparam. E não seria diferente para a Vale.

Há anos, a mineradora planeja fazer uma segunda ponte em Marabá, mas, entre outras razões, o projeto vinha sendo atropelado por conta da especulação imobiliária. É que, para passar com o traçado de ferro e cimento, a multinacional deveria desapropriar algumas áreas de particulares, mas, sabendo que é para a Vale, os proprietários jogam os preços de seus imóveis nas alturas, inviabilizando, muitas vezes, qualquer negociação. Em uma das situações, a mineradora teve de entrar na justiça. E acaba de ganhar a causa.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, suspendeu recentemente decisão judicial que impedia a imissão da mineradora na posse de um terreno em Marabá, em processo de desapropriação para a construção de ponte. Na decisão, o ministro ressaltou o risco de prejuízos econômicos em decorrência do atraso da obra. “Está caracterizada a grave lesão à ordem pública na sua acepção administrativa, em decorrência dos entraves à execução normal e eficiente da política pública desenhada e estrategicamente escolhida pelo gestor público”.

No entendimento de Martins, foi indevida a interferência do Poder Judiciário estadual ao suspender a imissão na posse. “A solução jurídico-administrativa desenhada foi construída por meio de debate fático-jurídico em âmbito administrativo, não se podendo descurar da expertise da administração pública na área viária e de sua análise técnica com relação às consequências fáticas para a prestação eficiente do serviço público para a comunidade”, pontuou.

O ministro entende que pessoas públicas de direito privado prestadoras de serviço público, como a Vale, que é concessionária da ferrovia, têm legitimidade para pedir ao STJ a suspensão de decisões judiciais que representem risco à ordem, à saúde, à segurança ou à economia pública.

Valor da área em questão

A ação de desapropriação foi ajuizada com base em declaração de utilidade pública e no Decreto-Lei 3.365/1941, sendo concedida a liminar de imissão provisória na posse pelo juízo cível de Marabá. Após recurso dos proprietários, o Tribunal de Justiça do Pará suspendeu a imissão na posse, determinando a realização de perícia judicial para avaliação do terreno.

No pedido de suspensão dessa decisão dirigido ao STJ, a Vale argumentou que a prévia avaliação do bem não é condição para a imissão na posse, pois o valor ofertado inicialmente pode ser complementado em momento posterior, se necessário. Ainda segundo a empresa, a obra é de utilidade pública e essencial para o escoamento de minérios na região. Além disso, a mineradora mencionou que a liminar pode atrasar em um ano a conclusão do projeto, gerando prejuízos significativos.

De acordo com Martins, “estão demonstradas a urgência e a necessidade da imissão na posse pleiteada para a continuidade da execução de obra ferroviária, de utilidade pública reconhecida, estando presente a autorização do poder público à concessionária para a efetivação da referida imissão”. (Com informações da Ascom do STJ)

%d blogueiros gostam disto: