Servidor público municipal armado é preso por discutir com a esposa e disparar tiros em Parauapebas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O radiologista concursado da Prefeitura Municipal de Parauapebas lotado na Secretaria de Saúde, João Batista Silva do Nascimento foi preso nesta madrugada no Cidade Jardim depois de discutir e disparar dois tiros em sua residência. Segundo a Polícia Militar, uma vizinha acionou o policiamento depois de escutar os tiros na residência do servidor por volta das 2h50 desta quarta-feira (25). “Um dos disparos da arma do servidor foi em direção da esposa, que estava sentada na cama, e passou de raspão. O outro disparo foi na garagem”, relatou a PM, que efetuou a prisão de João Batista.

A esposa, Karine das Dores Silva disse à polícia que recebeu também alguns socos no estômago e teve o dedo da mão machucado, sendo agredida mesmo estando se recuperando de uma cirurgia. De acordo com o delegado José Aquino, “João Batista vai responder na justiça pela lei Maria da Penha, por ameaçar sua companheira, e pela Lei do Desarmamento, porte ilegal de arma, por disparar com uma arma 9 milímetros, que é de uso restrito das Forças Armadas. Este crime é inafiançável”, declarou. O delegado informou ainda que a arma estava com numeração raspada, o que pode agravar a situação do servidor.

O advogado de defesa do servidor público, Antônio Araújo, reforçou que a prisão não passa de um mal entendido. “Pela manhã ele chegou em casa, fez um disparo e só vai responder por porte ilegal de arma. Ele não tem antecedentes, é trabalhador, tem histórico social em Parauapebas positivo e nunca fez nada que pudessem duvidar da sua índole. Ele é um sujeito de boa índole. Estamos trabalhando para ele responder esse processo em liberdade”, defendeu o advogado.

A defesa também justificou que a arma será periciada pelo Instituto Médico Legal para se afirmar se a numeração estava realmente raspada.

Segundo o delegado José Aquino, o crime de porte de arma de uso exclusivo é inafiançável e João Batista será encaminhado à carceragem do bairro Rio Verde, em Parauapebas, onde aguardará a justiça.

doc-policia1

Publicidade