Secretária nacional promete ampliar políticas públicas para mulheres em Marabá

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), mostra que Marabá figura como um dos piores municípios de todo o Brasil para as mulheres.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

No início desta semana, as vereadoras Irismar Melo e Cristina Mutran, juntamente com a coordenadora da Coordenadoria Mulher de Marabá, Júlia Rosa, estiveram em Brasília em reunião com a secretária nacional de Políticas Públicas para Mulheres, Maria Aparecida de Moura. O encontro, agendado pelo ministro de Integração Nacional, Antônio Pádua, teve na pauta os desafios que Marabá enfrenta com poucas políticas públicas para mulheres e a necessidade de fortalecimento de projetos para modificar o cenário atual do município.

Elas lembraram que em 2017 foi divulgado pelo IPEA o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), mostrando que a crise é de tamanha proporção que Marabá figura como um dos piores municípios de todo o Brasil para as mulheres.

Motivadas por esse propósito, as três conseguiram apoio para institucionalização da Rede de Atendimento à Mulher e a Criação do Pacto Intersetorial no Município de Marabá.

Maria Aparecida garantiu suporte técnico para realização de oficinas, condicionantes para estruturação da Rede e fez importantes recomendações sobre o SICONV (Portal de Convênios do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão), indicando como Marabá pode se habilitar para conseguir ainda mais suporte às políticas públicas para mulheres.

Irismar disse voltar do encontro com sensação de dever cumprido e ressaltando a importância da integração entre os poderes. “Conseguimos alcançar muito mais apoio juntas do que nas ocasiões em que viemos sozinhas, tentando resolver o problema. O apoio do ministro Pádua abriu as portas para tudo isso, mostrando a importância dessa união que só tem um único beneficiado, que é Marabá.”

A vereadora Cristina Mutran destaca que é hora de intensificar os trabalhos visando diminuir os índices alarmantes de violência e crimes praticados contra a mulher e avançar com políticas de atendimento ao segmento.