Remo perde para o Brasiliense nos pênaltis e deixa escapar o título da Copa Verde em Belém

O Leão Azul venceu o Jacaré no tempo normal, devolvendo o placar, mas saiu derrotado nos pênaltis
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Festa do Brasiliense em pleno Mangueirão

Continua depois da publicidade

Ainda não foi dessa vez que o Clube do Remo conquistou a Copa Verde. Jogando na tarde desta quarta-feira (24), o Leão Azul conseguiu devolver o placar do primeiro jogo e venceu o Brasiliense (DF), por 2 a 1, no Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém. A decisão do título foi para os pênaltis e o Jacaré de Brasília foi mais competente, derrotando os azulinos por 5 a 4 e levantando a taça em pleno Mangueirão.

O Remo abriu o placar aos 15 minutos do primeiro tempo, quando Felipe Gedoz cobrou falta e o zagueiro Fredson subiu de cabeça para marcar. O Brasiliense voltou diferente no segundo tempo e igualou o placar com Zé Love, que acertou uma bela cabeçada após cruzamento de Diogo, aos quatro minutos. O Jacaré acabou perdendo um jogador depois que o lateral-esquerdo Balotelli recebeu o segundo amarelo e foi expulso, aos 14 minutos. O Leão chegou à vitória quando Felipe Gedoz cobrou falta, Lucas Siqueira raspou de cabeça e Rafael Jansen marcou, aos 15 minutos. 

No agregado, a final terminou empatada em 3 a 3, e com isso o título foi decidido nos pênaltis. Melhor para o Brasiliense, que despachou o Leão e comemorou em Belém. A conquista classificou o time Candango para a terceira fase da Copa do Brasil de 2021, e abriu uma outra vaga para um time do Distrito Federal, o Real Brasília, que vai disputar a primeira fase da Copa do Brasil. 

O jogo: Leão, vice-campeão outra vez! 

Precisando da vitória para buscar o título inédito, o Remo foi pra cima. O atacante Hélio Borges recebeu na área e chutou, o goleiro Edmar Sucuri espalmou pela linha de fundo, cedendo escanteio para o Leão Azul. Em uma cobrança de falta para os azulinos, Felipe Gedoz bateu e a bola passou por cima da meta adversária. O Brasiliense tentou marcar depois que Balotelli experimentou de fora da área, mas mandou muito longe da trave do goleiro Vinícius.

O VAR entrou em ação pela primeira vez quando Felipe Gedoz cobrou escanteio – Sandy cortou com o peito no primeiro pau e o time do Remo pediu pênalti, mas o árbitro de vídeo foi consultado e nada foi marcado pela arbitragem.  Em mais uma bola parada do Leão, não teve jeito: Felipe Gedoz cobrou falta e o zagueiro Fredson cabeceou firme para abrir o placar, aos 25 minutos, 1 a 0 Leão.

O segundo quase saiu quando Hélio Borges arrancou com a bola pela esquerda, ganhou da marcação e chutou cruzado; Felipe Gedoz se atirou de carrinho, mas não alcançou a redonda. Só dava Remo. Lucas Siqueira escapou bem pela esquerda e tocou para o chute de Wellington Silva – a bola passou tirando tinta da trave do goleiro Edmar Sucuri. Em mais uma investida do Leão, Wallace tocou para Marlon, que cruzou na área e Keynan cortou providencialmente, antes da chegada do atacante Hélio Borges.

O Jacaré de Brasília teve a sua única chance real até então, quando Zé Love apareceu na entrada da área e chutou, a bola passou perto do travessão, assustando o goleiro Vinícius. Em outra tentativa do Brasiliense, Maicon Assis cobrou escanteio e Vinícius tirou de soco; a bola sobrou para Aldo, que chutou e a redonda desviou na zaga, ficando nas mãos do goleiro remista. Quando o Remo foi novamente, quase ampliou. Wellington Silva cruzou da direita, a zaga bateu de cabeça e a bola ficou com o atacante Augusto, que chutou em cima do goleiro Edmar Sucuri.

No segundo tempo, após uma sobra de bola, o goleiro Edmar Sucuri foi esperto e colocou pela linha lateral antes da chegada do atacante Wallace. O Brasiliense empatou: Diogo recebeu na direita e cruzou na medida para a cabeçada certeira do atacante Zé Love, aos quatro minutos, 1 a 1. O lateral-esquerdo Balotelli cometeu falta dura e recebeu o cartão amarelo, como já tinha um, acabou expulso aos 14 minutos.

Na cobrança de falta de Felipe Gedoz, Lucas Siqueira raspou de cabeça e o zagueiro Rafael Jansen empurrou para o gol, aos 15 minutos, 2 a 1 Leão. O árbitro consultou o VAR para saber se teria alguma irregularidade no gol remista, mas a arbitragem validou o tento. O Remo precisava de mais um para ser campeão direto, sem os pênaltis. Wellington Silva pegou a sobra de bola na área e chutou, mas a redonda foi pela linha de fundo. Mais uma boa chance perdida dos azulinos.

O Remo botou pressão. Hélio Borges fez boa jogada individual e tocou para Dioguinho, que virou rápido e chutou – a bola explodiu na trave do goleiro Edmar Sucuri. No lance seguinte, Augusto recebeu na área e chutou, Edmar Sucuri defendeu e a zaga despachou o perigo. Mais uma vez o atacante Hélio Borges arrancou com a bola dominada e tocou para Tiago Miranda, que chutou e dessa vez mandou longe da meta do Brasiliense.

O Leão foi ao ataque novamente. Dioguinho escapou pela direita, se livrou da marcação e chutou, mas a bola passou por cima. Quase o Jacaré surpreendeu com Romarinho, que recebeu livre na frente e chutou para a defesa do goleiro Vinícius, mas a arbitragem assinalou impedimento. O terceiro do Leão não saiu por muito pouco quando Dioguinho escapou pela direita e cruzou para Lailson, que, sozinho, perdeu a chance.

Em um contra-ataque rápido do Brasiliense, Romarinho arrancou pela esquerda, cruzando para Jefferson Maranhão, que estava só e chutou para fora. Inacreditável a chance perdida pelo Jacaré. Na última chance do tempo normal, após uma bola na área, a zaga do time de Brasília cortou e Lailson emendou um chute rasteiro – a bola passou raspando a meta do goleiro Edmar Sucuri. Placar final: Remo 2 x 1 Brasiliense. Com o resultado, a disputa do título foi para os pênaltis.

Melhor para o Brasiliense que venceu nos pênaltis, por 5 a 4, e conquistou o título inédito da Copa Verde 2020. Peu, Aldo, Jefferson Maranhão, Romarinho e Diogo assinalaram para o Jacaré, que perdeu um pênalti com Sandy. Pelo lado do Leão, marcaram Felipe Gedoz, Lailson, Wallace e Rafael Jansen, tendo perdido dois pênaltis com Lucas Siqueira e Wellington Silva, que isolou a última cobrança.

FICHA TÉCNICA

REMO: Vinícius; Wellington Silva, Fredson, Rafael Jansen e Marlon (Lailson); Pingo (Dioguinho), Lucas Siqueira e Felipe Gedoz; Hélio Borges, Augusto (Tiago Miranda) e Wallace. Técnico: Paulo Bonamigo.

BRASILIENSE: Edmar Sucuri; Diogo, Badhuga, Keynan e Balotelli; Aldo, Luquinhas (Jefferson Maranhão), Sandy e Zotti (Gustavo Henrique); Maicon Assis (Romarinho) e Zé Love (Peu). Técnico: Vilson Tadei.

  • Árbitro: Jefferson Ferreira de Moraes (GO)
  • Árbitro Assistente 1: Cristhian Passos Sorence (GO)
  • Árbitro Assistente 2: Leone Carvalho Rocha (GO)
  • Quarto Árbitro: Andrey da Silva e Silva (PA)
  • Analista de Campo: Lúcio Ipojucan Ribeiro da Silva de Mattos (PA)
  • Árbitro de Vídeo: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
  • Assistente de Árbitro de Vídeo 1: Antônio Dib Moraes de Sousa (PI)
  • Assistente de Árbitro de Vídeo 2: Edson Antônio de Sousa (GO)
  • Observador de VAR: Marcos André Gomes da Penha (ES)
  • Cartões amarelos: Badhuga, Balotelli e Zé Love (Brasiliense)
  • Cartão vermelho: Balotelli (Brasiliense)
  • Gols: Fredson, de cabeça, aos 25 minutos do 1° tempo para o Remo; Zé Love, de cabeça, aos 4 minutos do 2° tempo para o Brasiliense; Rafael Jansen, aos 15 minutos do 2° tempo para o Remo
  • Local: Estádio Olímpico Edgar Proença, o Mangueirão, em Belém 

Por Fábio Relvas
Fotos: Diogo Puget e Samara Miranda