Professores entram em queda de braço com o estado e deflagram greve contra aulas presenciais

Em assembleia geral, nesta quarta-feira (4), a categoria decidiu suspender as aulas e seguir com o sistema remoto. O governo do estado recomeçou as aulas presenciais nesta segunda-feira (2)
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Em assembleia geral, nesta quarta-feira (4), realizada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Estado do Pará (Sintepp), os professores da rede estadual de ensino decidiram deflagrar greve sanitária e suspenderam as aulas presenciais e continuar com as aulas remotas, alegando falta da imunização completa da categoria.

As aulas presenciais começaram nesta segunda-feira (2), por determinação do governador Helder Barbalho (MDB), que afirmou que a decisão foi tomada após redução dos casos de Covid-19 no estado e o avanço da vacinação contra a doença no Pará. O governador enfatizou, ainda, que a volta às aulas presenciais, de forma escalonada, levou em consideração outros fatores e foi embasada em estudo amplo, obedecendo todos os critérios de prevenção contra o novo coronavírus.

Já o Sinttep discorda do retorno presencial, alegando a falta da imunização completa de todos os professores. O sindicato ainda ressalta que houve baixa adesão dos estudantes na volta a sala de aula e um aumento no número de atestado médico e solicitação dos professores para continuar o trabalho em home office até a tomada da 2ª dose da vacina.

O governo do estado ainda não se manifestou oficialmente sobre a decisão dos professores.

Tina DeBord