Prejuízo milionário ameaça liderança da Globo

Queda de audiência e anunciantes é a maior da história da emissora
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Rede Globo inaugura novos estúdios no maior complexo de produção de conteúdo da América Latina, elevando ainda mais o seu endividamento

Continua depois da publicidade

Brasília – Uma mudança de humor do telespectador, atribuída à desaprovação da adoção de uma linha editorial em permanente litígio com o atual governo, suspensão de verbas governamentais e cansaço da fórmula de algumas de suas principais atrações, forçou a outrora “vênus platinada” – a Rede Globo –, após a divulgação pelo mercado de perdas de R$ 114 milhões no primeiro semestre de 2021, a rever a sua estratégia para manter a liderança da audiência.

Tadeu Schmidt (esq.) irá para o BBB. Maju, para o Fantástico. Tralli (dir.), para o Jornal Hoje

Neste domingo (10), a emissora anunciará mudanças em sua grade de atrações: Tadeu Schmidt assumirá o Big Brother Brasil (BBB) em 2022; Maju Coutinho vai para o Fantástico e César Tralli fica com a apresentação do Jornal Hoje.

A emissora carioca vem rescindindo contrato com grandes nomes da sua equipe há pelo menos um ano e reduzindo drasticamente o salário de algumas de suas estrelas. Quem não concorda, é demitido ou tem o contrato rescindido.

A decisão foi tomada pouco depois do anúncio da saída de Fausto Silva dos domingos do canal da família Marinho. A Globo antecipou a saída do apresentador em 17 de junho, anunciando, em 22 de julho, que Luciano Huck estrearia com o “Domingão do Huck”, a partir de setembro. A atração até agora não decolou e não atingiu os índices de audiência facilmente conseguidos por Faustão.

No lugar de Luciano Huck, aos sábados, entrou Marcos Mion – que saiu da Record em janeiro de 2021, e a audiência do programa continua a desejar após dois meses da estreia. E mais: Tiago Leifert, que assumiu o Domingão do Faustão depois da saída abrupta de Fausto Silva da empresa, também anunciou o fim do contrato com a emissora, em 9 de setembro, alegando motivos pessoais.

Dívidas e prejuízos crescem sem parar

As alterações no quadro vêm na esteira de déficit milionário do grupo da família Marinho. A Globo registrou prejuízo de R$ 114 milhões no primeiro semestre – alta de 122% em relação ao mesmo período de 2020, quando perdeu R$ 51 milhões.

A receita líquida foi de R$ 6,5 bilhões – avanço de 17%. A empresa cortou R$ 281 milhões em pessoal de janeiro a junho. Os dados foram divulgados ao mercado no início de setembro.

Apesar de apontadas como fatores positivos, a retomada gradativa de gravações e a normalização da programação puxaram os resultados negativos da emissora. As medidas foram tomadas logo no início da pandemia – para combater a transmissão do novo coronavírus.

“A companhia manteve seus esforços na busca pela eficiência e, apesar de a pandemia ainda estar em curso, foi possível manter o alto padrão de segurança nos estúdios, permitindo a continuidade de projetos de conteúdos originais, programas ao vivo e reality shows,” diz em comunicado.

Nova estratégia

A plataforma de streaming do grupo, o Globoplay, tem conquistado espaço cada vez maior no mercado brasileiro. Em março de 2021, os assinantes da ferramenta assistiram a 253,3 milhões de horas de conteúdo – alta de 119% frente ao mesmo mês de 2020, quando foram 115 milhões de horas. Desde o lançamento da plataforma, em novembro de 2015, a Globo tem ampliado seu acervo nacional – disponibilizando, por exemplo, séries e novelas antigas. 

O serviço, que já está disponível nos Estados Unidos, chegará à Europa e ao Canadá em 14 de outubro. O objetivo é expandir também para Ásia e África. Além do catálogo tradicional da plataforma, também são oferecidos os conteúdos de canais pagos, como GNT, Multishow, GloboNews e Off. Entretanto, a linha editorial do jornalismo é uma das razões da “fuga de audiência”, como a desconexão deliberada da emissora à realidade dos fatos. 

Por exemplo, enquanto as pessoas que foram aos protestos de 7 de setembro testemunharam a adesão de milhares de pessoas nas ruas em todo o Brasil, o noticiário da Rede Globo afirmou que os protestos não tiveram relevância de público. “Isso arranha a credibilidade do jornalismo e é um caminho perigoso,” disse um colunista especializado em programas de TV.

Receita de transmissões exclusivas também foram reduzidas

Com efeito direto nas perdas financeiras da empresa, a Globo tem perdido seu poderio nas transmissões de eventos esportivos. Para cortar gastos, a empresa tem diminuído as transmissões, perdendo, por exemplo, os direitos da Copa Libertadores, depois de anos de domínio. Também deixou de transmitir Campeonato Carioca, Campeonato Paulista, Copa Sul-Americana e Recopa Sul-Americana. No exterior, deixou de ter os direitos da Liga dos Campeões da Europa e por pouco não perdeu a exibição da Copa do Mundo de 2022 – pois chegou a acordo com a Fifa, em 22 de agosto, por US$ 90 milhões.

Não foi só no futebol. A Band fechou, em fevereiro, o contrato de transmissão da Fórmula 1 para as temporadas de 2021 e 2022. A Globo disse que não houve acordo, citando a “nova realidade mundial dos direitos esportivos”. A resposta foi considerada como uma piada por executivos do setor. “A Globo há décadas transmitia com exclusividade a Fórmula 1 e agora critica os termos do contrato?”, questiona um analista.

A tendência é que a empresa continue com dificuldades no caixa. Mesmo com a maré contrária dos negócios, a empresa fez um investimento milionário na construção de um novo estúdio (MG4), de última geração em sua área no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro, elevando ainda mais o seu endividamento.

Por Val-André Mutran – de Brasília