Prefeitura de Placas inaugura prestação de contas do 4º bimestre

Administração do município gastou 47,22% da receita com o funcionalismo e conseguiu ficar abaixo da linha de tiro da Lei de Responsabilidade Fiscal. Finanças locais estão equilibradas.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Desde o dia 1º até o dia 30 deste mês, ordenadores de despesas do Pará precisam entregar a execução das contas consolidadas do 4º bimestre, expressa no Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO), referente aos meses de julho e agosto. Além disso, tanto prefeituras quanto câmaras municipais precisam enviar à Secretaria do Tesouro Nacional o Relatório de Gestão Fiscal (RGF), detalhando, entre outros, gastos com pessoal no 2º quadrimestre deste ano, compreendendo os meses de maio, junho, julho e agosto.

Várias prefeituras brasileiras já encaminharam — e continuam a encaminhar — a prestação de contas e, no Pará, a Prefeitura de Placas foi a primeira a inaugurar o envio dos relatórios nesta sexta-feira (6), conforme apurou com exclusividade o Blog do Zé Dudu junto ao Tesouro Nacional.

A Prefeitura de Placas informou R$ 55,03 milhões em receita líquida e gastos totais de R$ 25,99 milhões com o funcionalismo. A folha de pagamento consome 47,22% da receita, o que deixa a administração local confortavelmente fora de todos os limites preconizados na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para gastos com servidores. As faixas partem de 48,6% até 51,29%, que é o limite de alerta; de 51,3% até 53,99%, que é o limite prudencial; e a partir de 54%, que é o limite máximo.

Enforcadas com a lei

Não é de se estranhar que as prefeituras paraenses venham se enforcar com a Lei de Responsabilidade Fiscal no resultado final do 2º quadrimestre deste ano. A julgar pelo início de 2019, a situação mostra-se fora do controle no estado, com prefeituras que tecnicamente sobrevivem apenas para pagar servidores.

O Blog do Zé Dudu levantou que, de 117 prefeituras paraenses com a prestação de contas regular, 79 (67,5%) atropelaram o limite máximo para despesa com pessoal. As situações mais dramáticas são das prefeituras de Marituba (74,33%), Aurora do Pará (74,84%), Ipixuna do Pará (78,49%), Baião (83,08%) e Gurupá (83,93%).

A Prefeitura de Placas está justamente no lado oposto, no grupo das mais equilibradas do ponto de vista fiscal. O pelotão é liderado pela Prefeitura de Canaã dos Carajás, que comprometeu apenas 34% da receita líquida com servidores. Em seguida, no 1º quadrimestre, apareceram Santana do Araguaia (35,55%), Parauapebas (40,02%), Placas (43,66%) e Itupiranga (45,12%).

Publicidade

Relacionados