Internet de qualidade é WKVE Liga você ao mundo!
Marabá

Praias reservadas têm pedrais, energia e até internet entre Marabá e Bom Jesus

Um conjunto de sete praias quase paradisíacas recebem centenas de famílias a cada final de semana
Continua depois da publicidade

Milhares de moradores de municípios do sudeste do Pará que não têm um balneário atrativo em suas cidades acabam viajando para Marabá, para tomar um banho e comer um peixe na famosa Praia do Tucunaré, que está sempre lotada e a água suja aos finais de semana pela grande quantidade de pessoas.

Mas, o que pouca gente sabe é que há outras praias um pouco mais afastadas que compensam para os turistas que gostam de sossego e um local delicioso para tomar banho com a família. Para quem aprecia descansar e, ao mesmo tempo ficar antenado nas redes sociais, esse conjunto de praias é um convite tentador.

Elas ficam localizadas numa longa faixa de areia de cerca de 10 km à margem direita do Rio Tocantins, numa região conhecida como Bacabalzinho. O acesso se dá pelo Bairro São Félix III, numa estrada de terra que margeia a Ferrovia Carajás por cerca de sete quilômetros.

A ordem das praias é a seguinte: Nossa Senhora dos Anjos, Do Amor, Lençol, Bacabalzinho, Pedral e Cari. Todas elas têm pedrais entre a areia e as águas parecem diáfanas durante todo o dia. À noite, muitos visitantes são atraídos pela pesca de peixe entre os pedrais.

CRISE DE LOCALIZAÇÃO

Para muitas pessoas, as sete praias estão localizadas no município de Marabá, mas a verdade é que figuram no mapa de Bom Jesus do Tocantins. Todavia, o único acesso rodoviário se dá pelo primeiro município. Nos últimos dois anos, a Prefeitura de Bom Jesus resolveu deixar tudo às claras. Colocou placas indicativas aos turistas nominando os balneários e fez questão de avisar – a partir da Ponte sobre o Rio Flexeira – a divisa entre os dois municípios.

PEDÁGIO NA PORTEIRA

Para ter acesso a todas as sete praias é preciso passar por dentro de fazendas e os proprietários cobram pedágio em forma de estacionamento. Algumas delas têm até mesmo barracas de palha com direito a energia elétrica e, caso o visitante queira usar, paga uma taxa por fim de semana: entre R$ 100,00 até R$ 700,00, dependendo do tamanho e da estrutura interna. “Aqui é um paraíso, uma tranquilidade. A gente paga e fica feliz. O dono ainda vende galinha caipira e a festa do final de semana fica completa”, comemora o comerciante Cláudio Gomes Lisart, de Marabá.

JERICOACOARA? SÉRIO?

Gerente de uma concessionária de veículos em Marabá, Eugênio Alegretti foi à Praia do Sossego no último final de semana e, de lá, postou foto numa rede social insinuando que estava em Jericoacoara, no Ceará, e muita gente caiu na “pegadinha” ao ver o cenário belíssimo. Mas o autor tratou logo de esclarecer que estava na Praia do Sossego, ainda pouco conhecida na região.

Embora fiquem entre 30 a 40 quilômetros de Marabá, as praias da região do Bacabalzinho recebem sinal de celular para ligações e – pasmem – pegam até internet (3G, é verdade), mas dá para se comunicar por meio de mensagens e até postar fotos em redes sociais.

Por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, a Prefeitura de Bom Jesus faz também um trabalho de orientação das famílias que exploram a praia, para que tratem bem os turistas e promovam conscientização sobre a importância de manterem aqueles espaços o mais preservados possíveis. “A gente tem mata ciliar ao longo de todas as praias e as pessoas precisam entender que não se deve desmatar e nem colocar fogo”, replica Isaías Guilherme Passos, filho de um dos fazendeiros da região do Bacabalzinho.

Ulisses Pompeu – de Marabá

Deixe uma resposta