Polícia Civil deflagra “Operação Safe Forest” para combater desmatamento e transporte irregular de madeira no interior do Pará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Polícia Civil deflagrou, nesta terça-feira, 12, a operação Safe Forest (floresta salva em inglês) para combate aos crimes de associação criminosa, falsificação de documento público e corrupção ativa relacionados ao desmatamento e transporte irregular de madeira, em Novo Repartimento, no sudeste do Estado. Cinco policiais – dois civis e três militares – foram presos em cumprimento a mandados judiciais de prisão preventiva acusados de receber pagamentos de madeireiros da região para dar suporte aos crimes ambientais. Dois madeireiros também acusados dos mesmos crimes foram presos. Ainda, durante a operação coordenada pela Superintendência Regional de Polícia Civil do Lago de Tucuruí, foram cumpridos mandados de busca e apreensão referentes ao inquérito.

A operação é resultante de investigação presidida pelo delegado Arthur Nobre responsável pelo inquérito instaurado para apurar os crimes. O delegado explica que as investigações foram iniciadas no ano passado, quando a operação foi deflagrada para combater crimes ambientais que contavam com conluio de agentes públicos ligados a madeireiros na região. No esquema criminoso, explica o delegado, os policiais recebiam propinas para fazer “vista grossa” diante dos crimes ambientais, como desmatamentos ilegais e transporte de madeira sem qualquer autorização legal. A partir das provas coletadas no inquérito, detalha o delegado Sandro Rivelino, titular da Superintendência do Lago de Tucuruí, foi desencadeado o cumprimento de mandados judiciais na cidade de Novo Repartimento.

Foram presos os madeireiros Itamar Oliarski e José Gonzaga Monteiro Barra Nova, em Novo Repartimento, com ordens de prisão preventiva expedidas pela Comarca do município. Foram presos também os policiais civis Sidney de Souza Almeida e Regivaldo de Moraes Menezes (investigadores) e os policiais militares major Márcio (comandante da 23ª Companhia Independente de Novo Repartimento); Sargento França (comandante do Destacamento da PM no Distrito de Maracajá) e Cabo Joniel, da 23ª Companhia Independente de Novo Repartimento. A operação contou com a presença de representantes das Corregedorias da Polícia Civil e da PM e ainda da Promotoria Militar do Ministério Público do Estado para atuar, de forma conjunta, na prisão de agentes públicos acusados das práticas criminosas investigadas.

superintendencia_do_lago_de_tucurui_1

Os policiais serão conduzidos ao presídio Coronel Anastácio das Neves em Santa Izabel do Pará. Já os madeireiros foram transferidos ao Presídio Regional de Tucuruí. A operação policial também foi deflagrada por equipes de policiais civis da Superintendência Regional de Altamira, no sudoeste do Pará, sob coordenação do delegado Vinícius Sousa Dias. Durante o dia, eles tentaram localizar outros dois acusados de envolvimento nos crimes em Vitória do Xingu e Uruará, cidades situadas na mesma região de Altamira, porém os dois acusados – os madeireiros Sivaldo Furtado Moraes e Jorge Luis Moisés, conhecido como “Jorge do Goiás” – não foram localizados e estão foragidos. As investigações continuam visando localizar e prender os foragidos. (ASCOM PCPA)