Parauapebas: Programa “Residência” estimula cultura e aprimora técnicas de artistas plásticos locais

O programa é desenvolvido pelo “Movimenta Pebas”, projeto que conta com o patrocínio da Vale, via Lei de Incentivo à Cultura. As obras produzidas durante o programa serão expostas em galeria virtual
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O projeto “Movimenta Pebas” vai proporcionar a três artistas de Parauapebas melhorar e aprimorar suas técnicas através do programa de “Residência em artes plásticas”, que tem o patrocínio da Vale via Lei de Incentivo à Cultura.  Os artistas selecionados passarão por uma tutoria no ateliê do experiente artista plástico Afonso Camargo Fona

“A proposta da residência é entender o aluno, avaliar seu perfil, analisar tecnicamente as obras para e, em seguida, trabalhar no desenvolvimento de métodos, práticas e processos que permitam ao participante se desprender de conceitos pré-determinados e buscar outros traços”, explica Afonso Fona.

Radicado em Parauapebas desde 1991, Afonso Camargo Fona foi restaurador no Teatro Amazonas e aderecista nos bois Caprichoso e Garantido, no Festival Folclórico de Parintins (AM). Ele atualmente, além do ateliê de criação, participa de projetos educativos e desenvolve experimentos com pigmentos naturais oriundos do ferro, manganês e outros minérios abundantes na região de Carajás.

Um dos artistas selecionados, entre os 17 que se inscreveram para a seletiva do projeto, é Francisco da Silva, que aprendeu a desenhar em um projeto social para crianças e adolescentes vulneráveis, em Parauapebas, e nunca mais parou. O desenhista de 35 anos é conhecido artisticamente como Sansão Anticorpus.

Os outros dois selecionados ao “Residência em artes plásticas” são Iramar Cândido (Iramar Art) e Vagner Silva (Gomes .R. Ferreira). As oficinas serão concluídas essa semana.

Iramar tem 39 anos e vive em Parauapebas há 11. Gosta de pintar predominantemente paisagens. Atualmente, trabalha com pintura de casas, muros e letreiro.

Já Gomes R. Ferreira vive em Parauapebas há 35 anos. Ele aprendeu a pintar ainda no ginásio, mas se aprofundou na técnica há dois anos. Dos três, Sansão Anticorpus é o mais experiente: já apresentou seus desenhos em exposições no museu do Louvre, em Paris, e em Dublin, na Irlanda.

Antes da escolha dos três residentes, o programa promoveu três aulas on-line (Youtube), ministradas por Afonso Camargo Fona, para os 17 inscritos na primeira fase do programa. Os encontros ficarão à disposição do público até 18 de junho.

“As aulas tiveram como objetivo apresentar a trajetória e a experiência técnica e artística de uma referência no cenário das artes plásticas em Parauapebas e incentivar o desenvolvimento de novos pintores, desenhistas e escultores”, detalha o coordenador e curador do Movimenta Pebas, Gilberto Scarpa, que participou da seleção dos portfólios para o Residência.

Para ele, “os trabalhos inscritos, têm, no geral, boa qualidade técnica e criativa”, e projeta o desenvolvimento de novas ações neste campo. Um dos resultados do Residência é a produção, por cada artista, de uma obra. Os trabalhos serão expostos em galeria virtual na página eletrônica do Movimenta Pebas a partir do dia 18 de junho.

Segundo a Vale, o Movimenta Pebas oferece programação diversificada e totalmente gratuita à população nas áreas de teatro, dança, música, audiovisual e artes plásticas. O projeto também investe na produção e na capacitação dos artistas locais, impulsionando a rede produtiva da cultura e gerando renda.

Adaptado para promover ações também durante a pandemia, o Movimenta Pebas já selecionou, por meio de concurso cultural, cinco peças teatrais de curta duração que estão sendo montadas com recursos do projeto. Além disso, mais de 200 jovens e adultos de Parauapebas participaram de aulas e cursos on-line de capacitação em diferentes modalidades de dança com a equipe da renomada Corpo Escola de Dança, do Grupo Corpo.

Na etapa de música, o projeto selecionou, produziu e divulgou dez videoclipes com músicas inéditas de compositores do município. O projeto também promoveu dois cursos on-line sobre a História do Cinema e uma mostra de curtas-metragens na sua página eletrônica.

O Movimenta Pebas tem patrocínio da Vale, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, apoio da Prefeitura Municipal de Parauapebas, Secretaria Municipal de Cultura (através do Centro Cultural de Parauapebas (CCP)) e Instituto Vivas. Ele é realizado pela Vivas Cultura e Esporte, Ministério do Turismo e Secretaria Especial da Cultura do Governo federal.

Tina DeBord – com informações da Ascom Vale

Publicidade