Pará e Amazonas vão ampliar as ações de Defesa Sanitária nos municípios que fazem divisa entre os Estados

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Nesta segunda-feira (12), o diretor geral da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará), Luciano Guedes, assinou, em Manaus, um termo de cooperação técnica junto à agência de defesa agropecuária do Amazonas. O documento prevê a realização de diversas ações conjuntas entre as duas agências, para a promoção da defesa agropecuária principalmente nos municípios que estão na fronteira entre os dois Estados.

Entre as ações estão o desenvolvimento de educação sanitária, fortalecimento das fiscalizações do trânsito interestadual de animais e produtos de origem animal e vegetal, compartilhamento de informações técnicas e apoio logístico, entre outros. “Firmamos esse termo de cooperação com a agência do Amazonas, com o objetivo de aprimorar as ações de defesa agropecuária, sobretudo na região de fronteira, fortalecer a produção rural nesses locais, além de ajudar a cumprir o compromisso para que o Brasil receba o certificado de país livre da febre aftosa em 2018”, afirma o diretor geral da Adepará, Luciano Guedes.

Atualmente, apenas algumas áreas no país são consideradas zonas livres da febre aftosa, entre elas o Pará, que recebeu o reconhecimento em 2014. O Amazonas ainda não é considerado área livre, mas está se preparando para iniciar as ações de combate à doença e receber o certificado.

No mesmo evento em que foi assinado o termo de cooperação, começou também o curso de aplicação do plano de contingência para a febre aftosa no Amazonas, com o objetivo de capacitar os médicos veterinários que atuam na agência de defesa agropecuária do Amazonas. “Essa capacitação será fundamental para que possamos iniciar as atividades de combate e erradicação da febre aftosa em nosso Estado. Recebemos técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Centro Pan-Americano de Febre Aftosa, que irão conduzir o treinamento nos próximos dias”, explica o presidente da agência de defesa do Amazonas, Sidney Leite.

O diretor da Adepará, Luciano Guedes, chama atenção, ainda, para a migração dos rebanhos entre o Pará e o Amazonas. Isso acontece pois, no período das cheias dos rios da Amazônia, o rebanho migra de um Estado para outro. “Por isso é muito importante que as duas agências estejam afinadas e atuem em parceria, principalmente porque o nosso Estado já é livre da febre aftosa, então precisamos estar protegidos e proteger o nosso rebanho”, diz.

Atualmente, a agropecuária responde por 13% do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado do Pará, produzindo uma receita de aproximadamente R$ 6 bilhões. O status de livre da febre aftosa garante aos produtores paraenses alcançarem diversos mercados nacionais e internacionais, pois a doença é uma das mais abrangentes barreiras sanitárias do mundo. (Ascom Adepará)

Publicidade