Pará assina acordo de adesão para implementar o Programa Floresta+

A iniciativa tem o objetivo de pagar por serviços de ações ambientais em imóveis rurais que comprovadamente conservem florestas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Pará assinou acordo de adesão para efetivar a implementação do Programa Floresta+, de pagamento por resultados de conservação na Amazônia, coordenada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). A iniciativa tem o objetivo de valorizar as ações por serviços ambientais (PSA) em imóveis rurais que comprovadamente conservem florestas.

O acordo foi assinado, nesta quinta-feira (5), pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). Pelo programa federal, os produtores rurais que aderirem à regulação ambiental poderão ser elegíveis à remuneração por prestar serviços ambientais pela conservação e recuperação da vegetação nativa.

“O Pará é um estado com grande extensão territorial na Amazônia Legal e um grande potencial receptor de recursos do projeto Floresta Mais Amazônia, pelo grande número de pequenos produtores que se enquadram na malha do programa. Temos muito trabalho pela frente e contamos com a atuação do estado para que possamos trazer capilaridade para as ações do projeto Floresta Mais Amazônia. Precisamos de todos os estados e o Pará é bastante importante para que possamos colocar em prática a ação do programa”, reforçou Marta Giannichi, secretária da Amazônia e Serviços Ambientais, do Ministério do Meio Ambiente.

O acordo estabelece os termos entre o MMA e a Semas, para a implementação de um projeto-piloto no âmbito do programa. De acordo com o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará, Mauro O’ de Almeida, o projeto prevê a validação do Cadastro Ambiental Rural (CAR), um dos principais gargalos em toda a Amazônia.

“Temos de estimular as pessoas a se regularizar. Isto é importante. Também temos, a partir do programa, o monitoramento sobre quem possuí excesso de Reserva Legal – APP-, sobretudo no caso das reservas legais, possa vir a ser reconhecido por isso. No caso, um embrião de pagamento de serviços ambientais que pode ser, no futuro, uma política pública que ganhe escala, ganhe força. Temos que comemorar, pois é bastante positivo dentro do contexto de nossas demandas”, enfatizou o secretário.

O Pará é o sétimo estado da Amazônia Legal ao aderir o programa Floresta+. O projeto é um veículo de financiamento internacional de incentivo à política pública brasileira de preservação da floresta.

O projeto piloto Floresta+ Amazônia é composto por quatro modalidades que recompensam quem efetivamente protege a floresta: Conservação, Recuperação de Floresta Nativa, Inovação e Comunidades, baseados em Pagamentos por Serviços Ambientais.

Para o MMA, com a experiência do projeto na região Amazônica, será possível expandir o Floresta+ para um programa nacional de pagamentos por serviços ambientais, adaptando-o a outros biomas por todo o Brasil e tornando-o um instrumento financeiro efetivo para pagar quem conserva recursos naturais.

Tina DeBord- com informações da Semas