Operação “Sétimo Mandamento” investiga fraudes na concessão do Auxílio Emergencial no Pará

A operação foi deslanchada pela PF na manhã desta quinta-feira (21). Foram realizadas, até o momento, 126 operações policiais visando o combate às fraudes na concessão do benefício
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
PF realiza nova operação contra fraude na concessão do Auxílio Emergencial no Pará

Continua depois da publicidade

Na manhã desta quinta-feira (21), a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação “Sétimo Mandamento”, para combater fraudes na concessão do Auxílio Emergencial no Pará. A operação dá continuidade às investigações contra irregularidades cometidas na concessão do benefício, que ajuda parte da população com dificuldades financeiras em razão da pandemia.

Os trabalhos realizados são resultantes de uma união de esforços denominada Estratégia Integrada de Atuação contra as Fraudes ao Auxílio Emergencial (EIAFAE), da qual participam a Polícia Federal, Ministério Público Federal (MPF), Ministério da Cidadania, Caixa Econômica Federal (CEF), Receita Federal (RF), Controladoria-Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU). Os escopos da atuação conjunta são a identificação de fraudes massivas e a desarticulação de organizações criminosas, com a identificação de seus integrantes e o consequente ressarcimento dos valores ao erário.

De acordo com a PF, somadas as ações deflagradas hoje, foram realizadas, até o momento, 126 operações policiais visando o combate às fraudes, com o cumprimento de 484 mandados de busca e apreensão e 54 mandados de prisão. “A hipótese criminal investigada cinge-se aos crimes de furto qualificado mediante fraude, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro praticada por indivíduos que teriam se beneficiado de valores fraudados do Auxílio Emergencial de, ao menos, 19 vítimas no Pará”, informa a PF.

Os policiais federais cumprem, nesta manhã, seis mandados de busca e apreensão, apreensão de bens e valores e bloqueio de valores em contas bancárias, expedidos pela 4ª Vara Criminal Federal da Secção Judiciária no Estado do Pará. Segundo a Polícia Federal, caso o resultado do cumprimento dos mandados corrobore a hipótese criminal, os envolvidos serão indiciados, estando sujeitos a penas que, somadas, podem chegar a mais de 20 anos de prisão.

Tina DeBord- com informações da PF