Parauapebas

Nota de pesar APMP

É com imenso pesar e indignação que a Associação dos Procuradores do Município de Parauapebas – APMP – comunica o falecimento da Advogada e Procuradora do Município de Itaituba/PA, Leda …

É com imenso pesar e indignação que a Associação dos Procuradores do Município de Parauapebas – APMP – comunica o falecimento da Advogada e Procuradora do Município de Itaituba/PA, Leda Marta Lucyk dos Santos, 40 anos, ocorrido no dia 22 de fevereiro de 2014, no Município de Itaituba/PA. Ela foi encontrada morta na noite desse sábado em uma loja comercial de sua propriedade na área comercial daquele município. Além da procuradora, que também ocupava o cargo de diretora-tesoureira da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Itaituba, foram encontradas mortas também sua filha, Hannah Estela, 10 anos, e sua funcionária, Taynara Siqueira.

Acrescentemos que além do fato de ser um triplo homicídio, há mais um agravante nesse caso que é o fato de todas as vítimas serem mulheres, dentre estas uma criança.

Não podemos ficar inertes frente a tal barbárie e devemos, juntos com outras entidades da sociedade civil organizada, lutar pela garantia de segurança para todos e cobrar das autoridades uma resposta rápida para elucidação e prisão do autor ou autores desse crime hediondo.

Ressaltamos que nos últimos anos vários advogados foram assassinados em nosso Estado e muitos casos estão sem solução até hoje.

A APMP é veementemente contra qualquer ato atentatório ao livre exercício da Advocacia, mormente quando praticados em detrimento de mulheres e crianças.

Os membros desta Associação estão de luto pela morte repentina a brutal de mais um militante da Advocacia no Estado do Pará, mas à disposição para lutarmos em defesa de nossa profissão e por mais segurança para o nosso Estado.

Por fim, desejamos muito força e coragem para os familiares das vítimas e que Deus conforte a todos por esse momento tal difícil.

THIAGO CARVALHO DE PINHO
Presidente da APMP

3 comentários em “Nota de pesar APMP

  1. Humano Responder

    Mais uma morte em vão, no Pará predomina a lei da bala, terra sem lei. Tudo aqui é difícil, a corrupção está em todo lugar

    • Anônimo Responder

      Este é o problema de Parauapebas. As pessoas emitem comentários sem conhecer os fatos. Segundo o Jarbas Vasconcelos (OAB), trata-se de crime passional. As 3 foram mortas a “facadas” e, segundo reportagens já há imagens do assassino comprando a faca e entrando no local onde aconteceram os assassinatos. Parece que nada a ver com advogados ou corrupção.

Deixe seu comentário