Movimento baixo no comércio e na Feira do Produtor em Canaã dos Carajás

Alguns empresários decidiram investir no atendimento por telefone ou internet
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma segunda-feira diferente nas ruas de Canaã dos Carajás. A preocupação com a disseminação do coronavírus (covid-19) fez poucas pessoas circularem pelo comércio da cidade.

Na Feira do Produtor, boa parte dos boxes estava fechada. O local teve a programação alterada com o decreto municipal, que determinou o rodizio entre os boxes que passaram atender em horários alternados. A mudança começou no fim de semana, mas quem foi à feira nesta segunda, 23, encontrou poucos feirantes trabalhando e quase ninguém comprando. A Feira do Produtor é considerada, pelo município, um setor fundamental para o abastecimento da população. A prefeitura informou que está incentivando os feirantes para divulgarem os telefones de contato e fazer a entrega a domicílio, em parceria com os mototaxistas.

No centro comercial, muitos estabelecimentos vazios. Apesar de não haver nenhuma restrição para o funcionamento das lojas, exceto para bares, lanchonetes e restaurantes, alguns empresários decidiram investir nos atendimentos por telefone e on line.

Na contramão, estão as farmácias e os supermercados que têm registrado um aumento nas vendas. A empresária Geiel Frazão, dona de uma drogaria, confirma que houve um aquecimento nas vendas, especialmente de produtos como álcool em gel, máscaras e luvas, além de medicamentos que combatem a gripe. Mas a movimentação foi maior no início do mês. “Nosso estoque de álcool em gel está zerado. A gente tentou encontrar em outras distribuidoras, mas não conseguimos. Também faltam máscaras. Vamos esperar ver se alguém consegue nos abastecer”, explicou Geiel.

A Associação Comercial, Industrial e Agropastoril de Canaã (ACIACCA) divulgou semana passada, um vídeo para pedir que os empresários tomassem medidas de prevenção contra o coronavírus. O presidente da ACIACCA, Wender Damasceno, alertou para o risco de ver o comércio fechar as portas, se os empresários e colaboradores não tomarem os cuidados para evitar o contágio.

Publicidade