Morre no Rio de Janeiro Zeca Borges, criador do Disque-Denúncia

Um infarto tirou a vida de Zeca, aos 77 anos de idade, 26 deles dedicados ao combate à violência, tendo como maior aliada a própria população, por meio de denúncias anônimas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Morreu na madrugada desta sexta-feira (3) o criador do Disque-Denúncia, Zeca Borges. Ele morreu aos 77 anos após sofrer um infarto, segundo informações da assessoria do Disque-Denúncia.

O programa, criado em junho de 1995, chegou aos 26 anos em 2021. Até 2020, o serviço ajudou a prender e a autuar 20 mil criminosos. Com o sucesso da iniciativa, o projeto se expandiu para todos os estados brasileiros, além da Argentina e do Chile.

Quando o Disque-Denúncia completou 26 anos, Borges postou um texto nas redes sociais do programa, elencando os fatos importantes nos quais o Disque-Denúncia ajudou a prender criminosos.

Informou que mais de 2,7 milhões de denúncias e 218 mil horas de serviço em mais de 9 mil dias de trabalho, ajudaram as polícias a combater o crime no Rio de Janeiro. Disse ainda que o Disque-Denúncia ajudou a autuar a prender mais de 20 mil criminosos.

“Participamos de apreensões de armas e drogas, atuamos no desmantelamento de quadrilhas de roubos de cargas, auxiliamos na localização de pessoas desaparecidas, lutamos contra os crimes ambientais e até mesmo contra o coronavírus. Em todos esses momentos nós estávamos lá. E sempre estaremos”, afirmou.

“Perda irreparável”

“Sem dúvida, é uma perda irreparável para todos nós do Disque-Denúncia e para o País. Esse serviço, inegavelmente, é hoje uma das maiores ferramentas de combate ao crime, no Brasil. O Zeca, agora mais do que nunca, vai continuar nos inspirando a realizar esse grande trabalho, a fim de diminuir a violência e devolver a paz à nossa população. O Disque-Denúncia está de luto”, disse nesta manhã, ao Blog, a coordenadora regional do Disque-Denúncia, no sul e sudeste do Pará, Hellen Cristina Araújo.

(Com informações do G1)

Deixe seu comentário

Posts relacionados