Mistura de álcool e volante manda dois para o hospital e um para a DP

Condutor bêbado diz que nada bebeu antes de dirigir, jura que só bateu no poste e conta história difícil de entender e convencer
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Muitas doses de bebida alcoólica, um carro, um motorista alcoolizado e uma estrada movimentada. Foram esses os ingredientes da indigesta receita que mandou para o Hospital Geral de Parauapebas, por volta das 9h30 deste sábado (28), o ciclista Milvan Seixas Nunes e o motociclista Cícero Weliton Silva Araújo. Quem fez a mistura foi o condutor Tiago da Silva Lima, 29 anos. Ele jura que não estava bêbado, diz que não ingeriu uma gota de álcool antes do acidente, mas, tanto os policiais que o removeram à Polícia Civil quanto o Repórter do Blog respiravam puro álcool quando ele abria boca para falar.

Tanto Milvan quanto Cícero trafegavam pela Rodovia PA-275, no perímetro urbano de Parauapebas, quando foram atirados fora da pista pelo automóvel Ford Fiesta placas HMY-1870/Parauapebas-PA, dirigido por Tiago Lima, que contou uma história sem o menor sentido para explicar o acidente que ele provocou.

De acordo com o motorista, ele seguia pela rodovia quando surgiram à frente uma carreta e duas bicicletas, das quais ele desviou, mas, logo apareceu à frente outra carreta que fechou uma moto: “Eu tentei tirar das bicicletas e aconteceu a colisão, bati no poste”, contou.

Informado de que duas pessoas foram parar no hospital por terem sido colhidas pelo carro que ele dirigia, Tiago Lima disse que os veículos menores é que se chocaram no carro dele e completou: “Tem várias câmeras ali, pode ver nas imagens se eu bati em alguém, bati foi no poste”.

O sargento F. Menezes e o cabo Gama, ambos da Polícia Militar, contaram que, quando chegaram ao local do acidente, Tiago Lima já havia sido detido pela população, visivelmente embriagado. Ele não reagiu à voz de prisão e se mostrou “bastante tranquilo”.

O sargento Constantino, do Corpo de Bombeiros, que, ao lado do também sargento Gilson e do soldado Eduardo, socorreu as vítimas, relatou que Cícero Araújo foi atirado barranco abaixo e, além de ter fraturado o punho esquerdo, queixava-se de muitas dores na coluna cervical. Ele foi removido pelo Resgate ao hospital, enquanto Milvan Nunes, com várias escoriações e dores pelo corpo, foi socorrido por uma ambulância do Samu. Quanto ao condutor Tiago Lima, até o início desta tarde seguida detido na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil.

Paga o abstêmio pelo bebedor

De acordo com dados do Observatório Nacional de Segurança Viária, divulgados em dezembro de 2017, mensalmente acontecem no Brasil 3.900 mortes em acidentes de trânsito, o que perfaz 46.800 mortes por ano, 21% das quais – 9.828 – causadas por condutores alcoolizados.

O custo, para os cofres públicos, dessas mortes causadas pelo álcool ao volante e também de acidentados que sobrevivem, mas que ficam com sequelas, é de R$ 119,3 bilhões ao ano, segundo levantamento do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada), ANTP (Agência Nacional de Transportes Públicos), Ministério da Saúde e
OMS (Organização Mundial da Saúde). E, como os cofres públicos são abastecidos pelo contribuinte, até quem só toma água paga pela conta de quem dirige alcoolizado.

Reportagem: Ronaldo Modesto

Relacionados