Mistério: Homem é encontrado com táxi de Belém e identidade falsa na Vila Palmares, na Zona Rural de Parauapebas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um caso provavelmente de latrocínio está sendo investigado pelos policiais da 23ª Seccional de Polícia Civil de Parauapebas, onde foi apresentado nesta quarta-feira (31), pela Polícia Militar, um indivíduo que se identifica como José da Silva Gomes, mas que, segundo a polícia, informa o nome falso, assim como é falsa a Carteira de Identidade dele, na qual nem a impressão digital confere. O mais grave, porém, é que esse homem estava dirigindo um táxi de placas QDR-2668, de Belém, cujo condutor desapareceu após ter sido contratado na capital para trazer dois casais a Parauapebas, no último sábado (27).

A prisão do homem, que se apresenta como José, se deu após moradoras da Vila Palmares considerarem estranho o fato de um desconhecido estar há três dias farreando no carro e em atitude suspeita. A PM foi chamada e ele foi levado à Seccional junto com o veículo. Interrogado pelo delegado Fabrício Andrade, após ter sido desmascarado em relação ao documento falsificado, o desconhecido disse que estava com o táxi de um amigo que veio de Belém e deixou o automóvel com ele, para que trabalhasse em Parauapebas e lhe pagasse as diárias, e que logo ele iria
à delegacia esclarecer tudo.

Versão logo derrubada pelo delegado ao constatar também que o homem, que anda com identidade falsa, sequer tem Carteira Nacional de Habilitação. Ademais, o táxi, de Belém, não poderia fazer corridas em Parauapebas.

Paralelamente, os investigadores da Seccional, empenhados em esclarecer a situação, localizaram, por telefone, em Belém, a mulher do taxista, cujo prenome é Jean. Ela informou que ele saiu no sábado da capital com destino a Parauapebas, após ter sido contratado por dois casais, dizendo que no domingo (28) estaria de volta. O último contato que ela manteve com o marido foi na madrugada de domingo, quando ele disse que estava descansando um pouco, mas que depois pegaria a estrada. Porém, até esta quarta-feira (31) não retornou nem deu notícia.

Em Belém, a família dele já registrou BO (Boletim de Ocorrência) comunicando o desaparecimento. Quanto ao desconhecido, ele foi recambiado para a carceragem do Bairro Rio Verde, em princípio acusado de falsificação de documento público, mas, conforme o delegado Fabrício, se as investigações apontarem que Jean está morto e que ele teve envolvimento no crime, será autuado
também por homicídio.

Caso Táxi de Belém

Publicidade