Miguel Reis lança o livro A história de Parauapebas – Força e Trabalho em Carajás

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

LivroO oftalmologista Miguel Ângelo Braga Reis lançou na noite desta quinta-feira (30), na Praça de Alimentação do shopping Center Cidade Nova, em Parauapebas, o livro “A história de Parauapebas – Força e trabalho em Carajás”.

O evento contou com as presenças do prefeito de Parauapebas, Valmir Mariano, de secretários municipais, vereadores, amigos e parentes do autor.

Piauiense, Miguel Reis é médico, e a exemplo do irmão, Hipólito Reis, especialista em oftalmologia, membro titular do Conselho Brasileiro de Oftalmologia e Membro da Sociedade Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa.

O livro é um resumo baseado em pesquisas sobre a origem, fundação e desenvolvimento de Parauapebas, buscando dar sentido às sequências de fatos que resultaram no que é hoje o município. Ele mostra os caminhos percorridos pelos exploradores, migrantes, aventureiros, a história indígena na região, o progresso e suas qualidades e desvirtudes, não com a arte acadêmica de um historiador, mas com o fascínio de um estudioso e pesquisador das coisas da nossa gente, afirmou Miguel Reis sobre sua obra.

O Blogger conversou com Miguel sobre o livro. Acompanhe:

Zé Dudu – Qual a sensação de ver seu livro lançado?

Miguel – Sensação de dever cumprido, orgulho por lançar  meu primeiro livro. Como cidadão, esse trabalho é uma pequena colaboração a cidade de Parauapebas  ainda carente de registros históricos.

Zé Dudu – Seu pai teve influência nessa sua decisão de ser escritor?

Miguel – Meu pai Pedro Cláudio de Moura Reis, conhecido por muitos por PC, teve extrema importância na formação e na influencia pelo gosto do saber, pela escrita, pela literatura. Ele transmitiu um grande ensinamento, que é uma das maiores riquezas que pessoa pode adquirir na vida é o conhecimento. Hoje tenho orgulho de falar que Pedro Cláudio é o patrono da Academia de Letras de Parauapebas, e esse legado de exemplos que ele me deixou , trago comigo e manifeste neste momento com a produção deste livro.

Zé Dudu – Quantas horas de pesquisas foram necessárias para a conclusão do livro?

Miguel – Zé, passei um ano pesquisando e outro desenvolvendo os textos .Aos poucos fui descobrindo historias ocorridas e arquitetando o esqueleto do livro . Adquiri muito material , fiquei surpreso  com tantas informações  pois a região  de Carajás  foi bastante discutida e pesquisada nestes últimos 40 anos. Cada capítulo do livro dá para desenvolver  novas obras.

Zé Dudu – Você pretende estender a história de Parauapebas em outro livro. quais serão os temas abordados dessa vez?

Miguel – Nasci no Piaui , estado extremamente árido , ainda mais região Sul do Piaui .Os poucos rios que existem por lá , sabemos suas historias e geografia . A região de Carajás é cortados por vários rios e córregos, poucos conhecem essa riqueza hidrográfica. Estou fazendo pesquisas para  viabilizar um trabalho que possa descrever um pouco destes rios, uma historiografia

Zé Dudu = Você acredita que seu livro pode passar a ser consumido pelos alunos das escolas de Parauapebas de forma didática?

Miguel – Quando iniciei o trabalho  do livro , direcionei da forma mais didática possível as textos a fim de que pudesse atender esse demanda. Coloquei no livro o hino da cidade, a bandeira , a hidrografia e outras muitas informações que podem servir de consulta para as escolas.

 

Publicidade

Relacionados