Médico peruano preso em Canaã dos Carajás por exercício ilegal da profissão é condenado da Justiça

Homero Reynaldo Ramos cumpre pena por abusar de pacientes. Os crimes ocorreram nos estados de São Paulo e Rondônia
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O médico peruano Homero Reynaldo Ordonez Ramos, de 55 anos, foi preso em Canaã dos Carajás, no último sábado, 4, após ser denunciado pela equipe do Hospital Municipal. Ele estava impedido de exercer a medicina por determinação da Justiça. Homero Ramos foi condenado em 2018, por abusar de pacientes nos estados de Rondônia e São Paulo.

O médico era contratado por uma empresa que presta serviço à Prefeitura de Canaã, fazendo a remoção de pacientes com Covid-19 para cidades com Unidade de Terapia Intensiva, já que o município não dispõe de uma. De acordo com a prefeitura, na hora de verificar a documentação apresentada por Ramos, a direção do hospital percebeu que o registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) estava vencido desde janeiro de 2018 e acionou a Polícia Civil.

O Delegado da Polícia Civil Jorge Carneiro informou que o tal registro está suspenso por ordem judicial, uma vez que Homero Ramos cumpre, em regime aberto, pena por ter abusado de pacientes. Ele prestou depoimento, assinou o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) e foi solto. O médico vai responder o processo de exercício ilegal da medicina em liberdade.

Condenado

Homero Ramos é formado pela Universidade Nacional de Santo Agostinho (Universidad Nacional de San Agustín), uma instituição estadual de ensino superior em Arequipa, Peru. O médico naturalizado brasileiro já trabalhou em várias cidades do país.

Em 2018, ele foi preso no município de Colniza, no Mato Grosso, acusado de abusar de pacientes nos estados de Rondônia e São Paulo, enquanto estavam sedadas para a realização de procedimentos hospitalares. Na época, já havia um mandado de prisão preventiva, expedido pela Comarca de Araras, interior de São Paulo, local onde teriam sido denunciados os abusos.

De acordo com as investigações, os crimes começaram em 2007, em um posto de saúde de Buriti, em Rondônia, com uma adolescente de 14 anos. Homero tinha registro no Conselho Regional de Medicina (CRM) em diversos estados, atuando, no momento da prisão, no hospital municipal da cidade e em uma unidade de saúde privada. O médico foi condenado a seis anos de prisão – na mesma decisão, o juiz havia decretado a suspensão do seu exercício médico.

Nota

A Prefeitura de Canaã dos Carajás informou que Homero Ramos fazia parte da equipe de remoção que prestava serviço para a Secretaria Municipal de Saúde. Ele iria integrar o grupo de remoção de uma paciente do Hospital de Campanha. A situação foi comunicada por esses profissionais de saúde à empresa responsável, contratada pelo município para fornecer a mão de obra médica. A gestão disse, ainda, que já foi solicitada a substituição do médico.

Publicidade