Mecânico acusado de bater na mulher enquadrado na Lei Maria da Penha

O homem diz que está sendo acusado injustamente, por vingança ou por influência do cunhado, a quem acusa de tê-lo agredido
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Encontra-se preso da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) o mecânico Vanderlan de Jesus Batista, 35 anos. Ele está sendo acusado de violência doméstica por ter agredido fisicamente, na noite de ontem, domingo (30), a mulher dele, Tiane Oliveira das Chagas, 23 anos, com quem é casado há cinco anos e tem dois filhos. Batista nega que tenha batido na mulher e se diz injustiçado.

Ele conta que saiu de casa para tomar “umas quatro cervejas” e, quando voltou, por volta das 23h, ela passou a agredi-lo verbalmente e a fazer escândalo. “Saí da casa e, quando cheguei lá fora, o irmão dela me jogou no chão e passou a me bater, inclusive até quebrou o meu dedo”, contou Vanderlan, que diz ter sido preso pela PM, pela manhã, enquanto dormia. “Eles pularam pela janela e me prenderam dentro de casa”, conta.

O mecânico diz que tem como provar que nunca bateu em Tiane. “É só perguntar para os vizinhos, é só fazer exame. Pronto”, sugere, afirmando que foi acusado de violência doméstica por vingança da mulher ou por influência do irmão dela.   

Na Deam, a Reportagem do Blog levantou que, meses atrás, após um desentendimento entre o casal, a mulher procurou a especializada, ocasião em que houve conciliação e Vanderlan se comprometeu em não mais maltratar a mulher. Entretanto, agora o compromisso foi quebrado e ele será enquadrado na Lei Maria da Penha.   

O cunhado de Vanderlan, Tiago Oliveira Chagas também foi ouvido na Polícia Civil, mas, após depor e assinar TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) foi liberado.

(Caetano Silva)

Publicidade