Marabá: provocado, vice-prefeito Toni Cunha manda recado a servidores corruptos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O vice-prefeito de Marabá, Antonio Carlos Cunha Sá, conhecido como Toni Cunha fez publicação firme em uma rede social nesta sexta-feira, depois de ter sido provocado por um munícipe, o qual insinuou que Toni estaria fazendo vista grossa para um suposto caso de corrupção de um servidor ligado ao Departamento de Postura do Município.

Leia abaixo as palavras firmes e duras do vice de Tião Miranda:

“Após algumas mensagens encaminhadas a mim por meio de redes sociais durante o período de carnaval, dirijo-me, inicialmente, ao servidor público de bem, honesto, cumpridor de suas obrigações, mesmo que, em muitos casos, em situação adversa. A este servidor, meu total respeito e consideração.

Como muitos sabem, embora licenciado, sou DELEGADO DE POLÍCIA FEDERAL, orgulhosamente. Pautei minha carreira, em grande parte dedicada a Marabá, no combate à corrupção, muitas das vezes com atuações que levaram à prisão servidores públicos. Entrei para a política partidária para contribuir para o respeito à coisa pública, para tentar ajudar a melhorar a vida das pessoas. Contudo, que fique muito claro, não abrirei mão de continuar intolerante a desvios de quem quer que seja. Este é o desejo do prefeito Tião Miranda, é o meu, enfim, é o espírito do governo.

Por dever de transparência, é preciso dizer que não é de hoje que a sociedade marabaense ouve falar sobre corrupção praticada, supostamente, por fiscais ligados à Postura, ao Meio Ambiente, à fiscalização de obras, tributos etc. Decerto que, caso ocorram esses desvios, são a minoria, que acaba por macular a imagem de órgãos importantes.

Vivemos em um regime democrático e devemos ter responsabilidade, mas isso não significa tolerância com o mal feito. Em um regime democrático os desvios também ocorrem, vez que fazem parte da humanidade, mas são combatidos com rigor.

Pois bem, dou um recado para aqueles que insistem ou pensam em praticar desvios: não subestimem o novo governo! Não pensem que faremos ouvidos mocos! Não subestimem a nossa capacidade de identificar o mal feito e seu autor! Não pensem que, embora licenciado de minha profissão, não tenha condições de, por exemplo, de modo esperado, flagrar a ocorrência criminosa, atuando com absoluta tranquilidade. Não pestanejarei, se preciso for!

Por fim, convoco todas as mulheres e homens de bem de nossa cidade de Marabá para que fiquemos vigilantes no combate a desvios e coloco-me à disposição para ouvir, pessoalmente, qualquer notícia de fatos criminosos, porventura praticados, para que sejam tomadas as providências devidas.”

Publicidade