Marabá: ONG é acusada de falsificar documento para receber recursos de Fundo Municipal da Infância

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

No Diário da Famep (Federação da Associação dos Municípios do Estado do Pará) desta terça-feira, dia 20, a Secretaria Municipal de Assistência Social (Seasp) publicou a Resolução de Número 006/2018, a qual autorizou a instauração de Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) para apuração da conduta da entidade Associação Projeto Futuro Melhor e de seu representante legal André de Souza Silva.

Tudo começou quando o cidadão Paulo Sérgio Gomes Delarue protocolou denúncia junto ao Ministério Público Estadual, alegando que houve grave transgressão na lei em relação ao convênio firmado entre o município de Marabá e a instituição Futuro Melhor, que atende centenas de crianças com atividades educativas e sociais em sua sede, localizada na Folha 10, Nova Marabá.

Ocorre que, para se habilitar no processo, ser aprovado e receber a verba, toda entidade precisa apresentar seis certidões: Certificação de Regularidade com o FGTS; Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas; Certidão Negativa de Débitos com o Município;  Certidão da Sefa (Secretaria de Estado da Fazenda); e Certidão da Receita Federal.

O denunciante Paulo Sérgio Gomes informou à autoridade ministerial que esta última certidão, da Receita Federal, era falsificada. O promotor Júlio César Costa, por sua vez, encaminhou o caso para o município, pedindo explicações.

Diante disso, a Congem (Controladoria Geral do Município) de Marabá enviou documento ao presidente do CMDCA, José Maria da Cruz Cardoso Júnior, respondendo a um ofício, confirmando que a certidão apresentada pelo projeto Futuro Melhor não era autêntica.

Na Resolução publicada nesta semana, a secretária de Assistência Social, Nadjalúcia Oliveira Lima, designou três pessoas para serem membros da Comissão Especial do PAD e estabeleceu o prazo de 60 dias para conclusão dos trabalhos apuratórios. O relatório da comissão será analisado pelo CMDCA, que definirá as sanções a serem aplicadas, ou não, à entidade.

Por outro lado, segundo levantou a Reportagem do blog, alguns setores da Prefeitura estão mobilizados para obrigar a entidade a devolver o dinheiro que recebeu do município.

Em 6 de setembro do ano passado, o Futuro Melhor recebeu, por meio de edital, R$ 45.000,00 do Fundo Municipal da Criança e Adolescente, que é gerido pela CMDCA (Conselho Municipal da Criança e Adolescente). Outras 14 entidades sem fins lucrativos, voltadas às crianças e adolescentes em vulnerabilidade social receberam recursos da ordem de R$ 700.000,00 no total.

As instituições contempladas participaram de um processo seletivo na época, coordenado pelo CMDCA, composto de três etapas, para comprovação de que estariam aptas a receber recursos da Prefeitura/Fundo Municipal da Criança e do Adolescente.

No total deveriam ser contempladas 23 entidades, mas apenas 19 passaram por todas as fases, das quais 15 estavam aptas a assinatura do Termo de Colaboração nesta quarta-feira. As demais ainda estão em análise.

As entidades foram classificadas em três níveis: grande porte, médio porte e pequeno porte. As de grande porte, quatro, foram beneficiadas com R$ 70 mil; as de médio porte, como Futuro Melhor, receberam R$ 45 mil; e pequeno porte, R$ 20 mil.

Outro lado

Ouvido pelo Blog, André de Souza Silva disse que ainda não recebeu notificação acerca do PAD instaurado, afirmou que sua entidade não cometeu irregularidade alguma e que pode provar isso com farta documentação.

Disse estar sendo alvo de perseguição e reafirmou que a entidade por ele representada jamais praticou fraude para tirar proveito algum. “Nossa documentação está limpa. Não existe fraude, não existe falsificação. Estamos com os nossos documentos em dia e podemos provar isso”, afirmou.

Publicidade