Marabá abre chamada de quase R$ 10 milhões para insumos da agricultura familiar

Rede municipal tem quase 60 mil estudantes e é uma das mais robustas do estado. O FNDE preconiza que 30% de recursos da merenda sejam usados para comprar da agricultura familiar.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O governo de Tião Miranda vai selecionar no próximo dia 25 agricultores habilitados em fornecer insumos para o preparo da merenda escolar no ano letivo de 2021. A Prefeitura de Marabá botou na rua um edital de chamamento público em que pretende gastar até R$ 9,98 milhões com a compra de itens de origem animal e vegetal. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu e podem ser conferidas aqui.

São 114 itens no pacote, e tem de tudo um pouco: ovo de galinha caipira, abacaxi, abóbora, açaí, alface, banana, batata-doce, couve, farinha de mandioca, feijão, mamão, macaxeira, melancia, tangerina e polpa de frutas diversas, entre outros. As demandas foram agrupadas pela Secretaria Municipal de Educação (Semed) com base nos núcleos populacionais da cidade — Cidade Nova, Nova Marabá, Velha Marabá, São Félix/Morada Nova e, também, zona rural.

Na cidade, os produtos deverão ser entregues semanalmente e quinzenalmente nas escolas públicas municipais. Para as entregas da zona rural, o ponto de entrega é o Departamento de Alimentação Escolar. Se eventualmente houver mudanças no cronograma de entrega, elas devem ser comunicadas ao setor de alimentação escolar em tempo hábil para providências necessárias.

De acordo com a Semed, responsável pela organização do chamamento, a iniciativa tem em vista contribuir para o crescimento, o desenvolvimento, a aprendizagem, o rendimento escolar dos estudantes e a formação de hábitos saudáveis, por meio da oferta da alimentação escolar e de ações de educação alimentar e nutricional. Além disso, a legislação prevê que, do total de recursos repassados pelo Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (FNDE) para custeio da merenda, 30% têm de ser utilizados na aquisição diretamente da agricultura familiar e do empreendedor familiar rural.