Lucas Couto: “A pessoa é para o que nasce. Eu nasci para ser artista”

Conheça a história do engenheiro ambiental que deixou uma carreira promissora, de quase 10 anos, para viver da arte que hoje leva país afora!

Continua depois da publicidade

Quem, em sã consciência, nestes tempos de crise econômica, instabilidade financeira e desemprego que atinge milhões de brasileiros, deixaria um emprego sólido, em uma multinacional onde está há sete anos, e goza de prestígio, para ganhar o mundo e viver de arte? Pois é, o engenheiro ambiental Lucas Rodrigues Couto, 37, anos, baiano nascido em Canudos, deixou. E não é louco! 

Lucas chegou a Parauapebas em 1989, aos quatro anos de idade, com os pais, José de Carvalho Couto, um dos pioneiros do município, e Maria José Rodrigues Mota, também conhecida pelo carinhoso apelido de Galega.

Desde criança, Lucas sempre tinha a atenção voltada para todo tipo de arte, mas ‘seu’ José, que até hoje, mesmo aposentado, continua trabalhando na Vale como Técnico em Manutenção, não concordava muito com o filho, para quem sonhava com uma “sólida carreira profissional”.

Em princípio Lucas aquiesceu, começou a estudar Engenharia de Minas, mas percebeu que ainda não era o que queria, e estudou e se graduou em Engenharia Ambiental. Logo, estava empregado na poderosa Vale. Onde ficou por sete longos anos, acordando às 4h da madrugada e dormindo após as 22h, época em que trabalhou na Serra Leste.

“Na Vale eu aprendi muito. Mas, sobretudo, aprendi a ser muito mais responsável do que já era. E percebi que, após sete anos, não tinha mais como vivenciar aquela rotina diária. Estava faltando algo,” conta o artista, que durante os quase dez anos na mineradora, fez uma boa poupança financeira, se preparou e planejou seus próximos passos.

“Meu maior medo era quando chegava a segunda-feira. Eu rezava para que chegasse a sexta. E, como no título do documentário das três ceguinhas de Campina Grande, ‘A Pessoa é para o que nasce’, eu nasci para ser artista. Então, há três anos, pedi as contas, pedi demissão”, conta Lucas.

Com as economias e muita fome de arte, ele viajou para São Paulo, onde se aprofundou na arte do grafite, da tatuagem, da pintura em óleo e em aquarela e na arte digital, em Pop Arte e até como DJ.

Luca começou a viajar pelo País, primeiramente de motocicleta, mas o veículo ficou pequeno para o tanto de material que ele começou a adquirir para mergulhar no mundo da arte. Ele, então, comprou uma Kombi, que logo se transformou em um estúdio itinerante.

“Nessa Kombi já percorri 16 estados, meu foco tem sido o Norte e o Nordeste. Sempre procuro resgatar a cultura nordestina. Recentemente, estive na Bahia e na Paraíba. Aqui em Parauapebas, devido ao trabalho que desenvolvi, tenho muita proximidade com os indígenas do povo Xikrin do Cateté. E estou aprendendo cada vez mais. Não paro de estudar”, afirma o artista.       

Sobre o futuro, Lucas Couto, que já participou de inúmeras exposições e concursos, sempre atraindo mais admiradores de sua arte, diz que pretende, como artista e como ambientalista, contribuir com cada lugar em que estiver, ampliar os horizontes e “fazer bastante arte”.

Por Eleuterio Gomes – De Marabá

4 comentários em “Lucas Couto: “A pessoa é para o que nasce. Eu nasci para ser artista”

  1. Conceição Lúbia Amoury Tesch Responder

    Conheço o Lucas desde garoto.
    Moramos em ruas paralelas.
    Muitos anos se passaram e soubemos suas notícias, através de minha filha, que mostrou-nos a sua belíssima e admirável arte!
    Para o Lucas, envio parabéns pela coragem e por ter seguido o caminho que o seu coração “sinalizou”.
    E a torcida para que este talentoso garoto voe cada vez mais alto e seja muito feliz!

  2. VALERIA FERREIRA Responder

    UM JOVEM DE MUITA CORAGEM. QUEM DERA TODOS OPTASSEM POR VIVER SUA VOCAÇÃO E SER FELIZ! PARABÉNS!

Deixe seu comentário

Posts relacionados

%d blogueiros gostam disto: