Legislativo de Parauapebas faz primeira megacompra do ano por R$ 1,5 milhão

Fornecimento de combustíveis em 23 meses é suficiente para encher “aquário”, recinto no qual os 15 vereadores operam sessões. Câmara diz que compra é para trabalhos de fiscalização.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Foi dada a largada à primeira compra oficial do parlamento com o maior orçamento do interior do Pará. Com sua “arrecadação” prevista em R$ 46 milhões, a Câmara de Parauapebas abriu licitação para queimar R$ 1,458 milhão em diesel e gasolina. A iniciativa visa ao abastecimento dos veículos que compõem a frota oficial. As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu.

A compra, que será feita após realização de pregão presencial previsto para a próxima terça (2), é de cerca de 38,5 mil litros de gasolina para sustentar dois carros de passeio utilizados em atividades de apoio legislativo e de aproximadamente 282 mil litros de diesel para uso nas 15 caminhonetes 4×4 que servem aos vereadores e seus gabinetes. É uma quantidade de combustíveis matematicamente suficiente para cobrir toda a área do “aquário” onde ficam os parlamentares durante as sessões até a altura do pescoço de um vereador com 1 metro e 70.

De acordo com a Câmara, os volumes foram calculados com base nos gastos de combustíveis para o período de 23 meses. O contrato inicial após a licitação terá validade até 31 de dezembro, com possibilidade de aditamento. O edital do pregão traz reserva de cota para micro e pequenas empresas, bem como para microempreendedores individuais e cooperativas.

Em justificativa para respaldar a contratação, o parlamento alega que os trabalhos de fiscalização da Câmara podem ser interrompidos caso não haja combustíveis para que os veículos sejam utilizados. “O vereador, que é um agente político importante na sociedade, não deve se distanciar do dia a dia da comunidade e deixar de atender o cidadão, caso este necessite de seu apoio”, destaca a mensagem, complementando que a iniciativa vai possibilitar “fiscalização e ou acompanhamento das ações do Executivo”.